FC Porto ‘demolidor’ em contra-ataque deu passo importante na ‘Champions’

0
120

O FC Porto venceu na terça-feira o Marselha, por 3-0, em partida da terceira jornada do grupo C da Liga dos Campeões de futebol, que permitiu aos ‘dragões’ consolidarem as aspirações de qualificação para a próxima fase da prova.

  A equipa portuguesa, que esteve irrepreensível a explorar os contra-ataques, e com Corona em grande destaque, construiu o triunfo com os golos de Marega, logo aos 4 minutos, Sérgio Oliveira, de grande penalidade, aos 28, e Luís Diaz, já aos 69, já depois de Payet, aos 10, ter desperdiçado um penálti para a equipa gaulesa, treinada por André Villas-Boas.

  Com este resultado, os ‘azuis e brancos’ cimentam o segundo lugar do grupo, agora com seis pontos, atrás do líder Manchester City, que também somou nova vitória, frente ao Olympiacos, mantendo os gregos com três pontos, enquanto que o Marselha segue em último, com zero.

  Os ‘dragões’, que surgiram com três alterações na equipa em relação ao último jogo, frente ao Paços de Ferreira (na derrota por 3-1), com Diogo Leite, Grujic e Evanilson a darem lugar a Sarr, Luis Díaz e Zaidu, não poderiam esperar melhor entrada neste desafio, colocando-se em vantagem logo aos quatro minutos.

  Na sequência de um mau alívio da defesa dos franceses, Corona ganhou uma série de ressaltos e ainda conseguiu cruzar para Marega, que solto de marcação só teve de encostar para o

1-0.

  O Marselha, que estava obrigado a pontuar para manter esperanças de qualificação, ainda teve, pouco depois, uma soberana oportunidade para resgatar o empate, quando o portista Sarr derrubou Thauvin na área, numa falta para grande penalidade, que Payet, na marcação, foi displicente, rematando muito por cima.

  Refeitos do susto, os ‘azuis e brancos’ foram controlando os acontecimentos, e mesmo sem deslumbrar, iam mantendo em sentido os gauleses sempre que aceleravam para o contra-ata-que.

  A equipa de André Villas-Boas, muito irregular nas suas articulações, voltaria a cometer um erro comprometedor, ainda antes da meia-hora, quando Amavi fez uma falta, na área, sobre Corona, que Sérgio Oliveira, aos 28, não desperdiçou, fixando o 2-0.

  Apesar do VAR ainda ter revertido uma outra grande penalidade apontada pelo árbitro espanhol Mateu Lahoz para o Marselha, por alegada mão de Uribe, foi o FC Porto a ter a melhor oportunidade, ainda antes do intervalo, quando Marega intercetou uma má reposição do guarda-redes contrário, mas claudicou no remate.

  No regresso do descanso, o Marselha surgiu um pouco mais atrevido, pisando com mais frequência a área do FC Porto, mas sem disfarçar dificuldades no último passe, que permitiam ao conjunto português controlar as investidas e tentar, depois, explorar o contra-ataque.

  Numa dessas investidas, já 69 minutos, os ‘dragões’ praticamente sentenciam o jogo, numa arrancada fenomenal de Corona, que depois de deixar dois adversários pelo caminho, ainda teve lucidez para assistir, de calcanhar, Luís Diáz, que assinou o 3-0 num remate cruzado.

  Com a desvantagem tão pronunciada, o Marselha não mais se encontrou no jogo, tentando lançar-se, com pouco critério, no ataque, e deixando demasiado espaço para o FC Porto ameaçar, e não fosse o desperdício de Marega e Corona, num par de ocasiões, um resultado com contornos de goleada.