Exposição sobre Fernão Mendes Pinto patente na Universidade de Pretória até 21 de Agosto

0
113
Exposição sobre Fernão Mendes Pinto patente na Universidade de Pretória até 21 de Agosto

Na quinta-feira 13 de Agosto 2015, pelas 17:30, teve lugar no auditório da biblioteca Merensky II, na Universidade de Pretória, a abertura da exposição intitulada “Peregrinação” que retrata as viagens de Fernão Mendes Pinto à Índia e ao Oriente. Uma iniciativa do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I. P e do leitorado de Português na Universidade de Pretória, que le-varam a cabo a reprodução deste evento.

 O coordenador do ensino de Português na África do Sul, Rui Vicente de Azevedo, declarou a este jornal que “no ano passado o [o Instituto] Camões produziu esta exposição para assinalar e comemorar os 400 anos da publicação da “Peregrinação”, obra de Fernão Mendes Pinto.” Continuou, “o ano passado não foi possível trazer a exposição e tê-la patente, no entanto, já este ano de 2015, conseguimos concretizar esse objectivo.”

 Quanto à finalidade, o coordenador do ensino de Português confessou-nos que “é para que seja divulgada junto dos estudantes da nossa língua e nesse sentido,  começa aqui em Pretória e faz depois uma digressão pelo Sul de África. Para o mês que vem estará na Wits em Joanesburgo, Cidade do Cabo e Durban. Seguirá depois para

outros países, como Namíbia.

 Em Pretória temos o curso “major” a funcionar com dois leitores, é também muito bom ver os alunos aqui hoje e o livro, original, aqui exposto. Na verdade o livro pertence à secção de estudos africanos, o que prova que Fernão Mendes Pinto não é um desconhecido. Assim que souberam da exposição, amavelmente nos cederam os livros”, terminou Rui Azevedo.

 Marta Campos, leitora de Português na Universidade de Pretória e responsável por este projecto, em declarações ao Século de Joanesburgo, afirmou que "a ideia partiu da coordenação do ensino de português na África do Sul, através do Dr. Rui Azevedo, que propôs o projecto e que acharia importante apresentar a exposição. Abraçámos logo a ideia, porque é importante divulgar e promover o ensino e a cultura  portuguesa aqui nesta instituição, uma vez que é só o terceiro ano que existe o ensino da língua de Camões.”

 Acerca da exposição, o embaixador de Portugal, António Ricoca Freire, afirmou-nos que “uma das coisas que é preciso – e nunca é demais sublinhar – é aquilo que conseguimos fazer com limita-ções financeiras e orçamentais. Procuramos dar cultura e trazer parte dela aqui, na África do Sul. Beneficiamos das exposições do Instituto Camões e tentamos rentabiliza-las.”

 Quanto a Fernão Mendes Pinto, o diplomata declarou que “é uma figura marcante da nossa história, do nosso Passado e que nos ajuda a compreender melhor o papel dos Portugueses a nível Mundial.” O diplomata terminou ao atestar que “acho fantástico, termos uma cópia verdadeira da “Peregrinação” aqui hoje e ter aqui patente algo tão especial.” Presente também na inauguração desta expressão cultural portuguesa, foi o embaixador da União Europeia em Pretória, Roland Van de Geer, o qual fala Português por ter sido embaixador holandês em Moçambique.

 O diplomata representante dos 28 membros da União Europeia, assegurou-nos que “eu penso que é uma iniciativa muito boa. Mostra à restante população sul-africana e a todos os estudantes aqui, as várias fazes da exploração europeia. E claro, o papel preponderante e pioneiro que os Portugueses tiveram nessas fases todas.”

 Confessou-nos que “tenho que dizer, sou também marinheiro e tenho uma admiração enorme por todos aqueles que nos antecederam. Hoje temos GPS e rádios e cartas de navegação…no tempo de Fernão Mendes Pinto, só as cartas…e mesmo essas estavam no seu inicio. Foi grande escritor e grande Português”, rematou Roland van de Geer.

 Marta Campos, começou a palestra ao dar as boas-vindas a todos, cerca de 30 pessoas, entre eles alunos de Português e convidados vários, ao auditório. Agradeceu a todos os responsáveis da Universidade e da biblioteca Merensky II, ao coordenador do ensino de Português na África do Sul e aos colegas leitores na instituição.

 Seguiu-se a intervenção do embaixador de Portugal na África do Sul, o qual tentou explicar e definir a pessoa de Fernão Mendes Pinto. Numa mini palestra, o diplomata luso tentou enquadrar o feito da “Peregrinação” nos tempos actuais.

 Explicou que muitos acreditam que muito do conteúdo da obra de Fernão Mendes Pinto seja ficção, mas que “cremos nós, que a maior parte é realidade”. “Um aventureiro e um homem completo”, assim o qualificou António Ricoca Freire, terminou a sua intervenção ao apelar que todos desfrutem da exposição e do exemplo, ali ilustrado.

 Após a intervenção do embaixador de Portugal, Marta Campos fez algumas considerações sobre Fernão Mendes Pinto e a sua obra, ao que se seguiu uma visita do auditório à área onde estão expostos os painéis escritos e ilustrados e a obra original “Peregrinação”, ao lado de um modelo de uma caravela, feita por um aluno de Português do ensino secundário da região de Pretória.

 Os presentes deambularam entre os painéis, em conversa e comentários sobre o exposto. Seguiu-se depois um pequeno convívio para os convidados, acompanhados de cálices de vinho do Porto e miniaturas de pastéis de nata.