Estreia do Estoril Praia nas provas da UEFA ficou pela fase de Grupos

0
52
Estreia do Estoril Praia nas provas da UEFA ficou pela fase de Grupos

O Estoril-Praia empatou em Sevilha 1-1, em jogo do Grupo H da Liga Europa em futebol, mas, apesar da boa exibiçlão, foi um resultado insuficiente para se manter na corrida aos 16 avos de final.

 A equipa portuguesa foi superior em posse e circulação de bola, em lances de envolvimento ofensivo, em controlo do ritmo do jogo e em organização colectiva, mas só traduziu essa supremacia perante o oitavo classificado do campeonato espanhol num único golo, marcado em cima do minuto 90.

 Não se infira que o Estoril falhou no capítulo da finalização – de resto, as raras oportunidades de golo que criou contrariam tal ideia –, mas falhou por gritante falta de objetividade nos últimos 20 metros do campo.

 A equipa portuguesa teve o atrevimento de jogar os 90 minutos com o bloco subido, ins-talado no meio-campo do Se-vilha, sem medo de desguarnecer as costas da defesa, só possível numa equipa que tem a confiança de que vai controlar a posse e circulação de bola.

 Não foi por acaso que a equipa espanhola, que marcou bem cedo, logo aos sete mi-nutos, pelo luso-francês Kevin Gameiro, a passe do ex-benfiquista José António Reyes, nunca foi capaz de explorar o adiantamento das linhas do Estoril, porque o controlo que a equipa de Marco Silva fez da bola raramente o permitiu.

 É verdade que o golo prematuro do Sevilha também contribuiu para a postura mais expectante que assumiu em campo, como que a convidar o Estoril a pegar no jogo, mas a equipa portuguesa deu uma lição de futebol apoiado e dinâmico, ao qual faltaram os últimos 20 metros.

 O Estoril conseguia chegar às imediações da área espanhola com a bola controlada, mas depois falhava sistematicamente so penúltimo e último passes, a qualidade dos cruzamentos deixava a desejar e pecava por falta de espontaneidade no remate em zonas de finalização. Essa é, também, a diferença que separa as equipas medianas das boas e grandes equipas.

 Na segunda parte, o cariz da partida não se alterou, com o Estoril a assumir as despesas do jogo, mas a pecar pelos mesmos defeitos dos 45 minutos iniciais, perante um adversário que se limitava a gerir o golo de vantagem que lhe garantia o apuramento, procurando explorar o adiantamento da equipa portuguesa em rápidas transições ofensivas que raramente concretizou.

 O Estoril acabou por fazer o empate ao minuto 90, pelo defesa central Ruben, a passe de Balboa, cuja entrada em campo aos 76 minutos para o lugar de Evandro, deu outra acutilância e objetividade ao ataque estorilista, um golo que justificou plenamente, apesar das pechas atacantes que revelou, mas que foi insuficiente para o manter em prova. Foi a terceira equipa portuguesa a ser eliminada da fase de Grupos da Liga Europa., quando ainda falta uma jornada para terminar .

 Nas provas da UEFA por enquanto ainda permanecem o Benfica e o FC Porto, com esperanças de poderem prosseguirem. O Benfica tem garantido a Liga Europa, mas ainda sonha com a “Champions”.