Especialistas internacionais vão a Angola analisar fraudes e delitos económicos

0
39

 Especialistas internacionais de vários países, entre eles do Brasil, são aguardados em Outubro próximo, em Luanda, onde vão analisar e discutir os principais fraudes e delitos económicos e sua forma de prevenção, no quadro do actual contexto de Angola.

 O evento, promovido pela World Compliance Association – Capítulo Angola (WCA-CA), em parceria com o Instituto Superior de Ciências Criminais e Polícias (ISCCP), surge no quadro da transição política e da mudança do ambiente de negócios que Angola pretende.

 Representantes da Polícia Federal do Brasil (ligados ao processo “Lava Jato”), da União Europeia (UE), com destaque para a Alemanha, da WCA-CA, Polícia Nacional de Angola, Procuradoria Geral da República (PGR) e dos Serviços de Investigação Criminal (SIC) são os principais oradores da conferência, que prevê acolher 500 participantes.

 A decorrer a 23 e 24 de Outubro, a 1.ª Conferência Internacional sobre Fraudes e Delitos Económicos em Angola vai despertar a sociedade sobre a necessidade de uma maior abertura e credibilização do ambiente de negócios no país, no quadro da “compliance”, ferramenta que joga um papel importante no cumprimento normativo dentro das organizações, disse a Presidente da WCA.

 Numa conferência de imprensa, realizada em Luanda, no quadro dos preparativos do evento, Andrea Moreno referiu que a iniciativa vai permitir ajudar Angola a reforçar os mecanismos de prevenção e investigação de fraudes e delitos económicos.

 Por outro lado, vai permitir adotar medidas fundamentais nos sectores público e privado para precaver os crimes económicos mais comuns, como a fuga ao fisco e a exportação ilícita de capitais, fraudes nos seguros, branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, fraudes em meios eletrónicos e subtração de dados bancários, entre outros.

No encontro com os jornalistas, o director-adjunto do ISCCP, Andrewwyong Inacu-lo, referiu que, nos últimos anos, tende a aumentar em Angola a cultura de denúncia por parte da população para crimes económicos.

 “A denúncia de crimes económicos tende a estar equilibrada com os de natureza co-mum. No contexto actual, notamos que os cidadãos participam cada vez mais crimes de natureza económica”, disse o oficial da polícia, sem avançar números.

 Na conferência serão debatidos, entre outros, temas como “O Papel do Serviço de Inves-tigação Criminal (SIC) na Prevenção de Fraudes e Delitos Económicos”, “A Procuradoria Geral da República (PGR) na Investigação de Fraudes Económicas” e “Tipos de Delitos Económicos – Uma Visão Internacional”.

 As técnicas de investigação de fraudes, o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo, a fuga ao fisco e exportação ilícita de capitais, fraudes em meios electrónicos e subtração de dados bancários, a importância do “compliance” no contexto de desenvolvimento social e económico das empresas em Angola, investigações corporativas e “compliance”, os esforços do Parlamento Europeu no combate aos delitos económicos, são outros temas agendados.