Erros capitais de Melgarejo ditam empate entre Benfica e Braga

0
58
Erros capitais de Melgarejo ditam empate entre Benfica e Braga

O Benfica empatou com o Sporting de Braga (2-2), no Estádio da Luz, num encontro da primeira jornada da I Liga de futebol marcado por dois erros capitais do lateral esquerdo Melgarejo.

 Não é caso para se dizer que a Luz já tem saudades de Emerson, mas o adaptado paraguaio acabou por ser protagonista pela negativa, ao assinar um autogolo e oferecer o segundo tento ao Sporting de Braga, em 10 minutos (aos 54 e 63).
 A infelicidade do lateral esquerdo paraguaio aconteceu numa altura determinante do jogo, quando o Benfica tinha acabado de se colocar em vantagem, aos 49 minutos, depois de uma primeira parte muito difícil para os “encarnados”, controlada quase toda pelos minhotos.
 Jorge Jesus surpreendeu ao apostar num ousado 4x2x4, com dois pontas de lança (Cardoso e Rodrigo), dois alas (Salvio e Bruno César) e apenas dois médios (Javi Garcia e Witsel), perante um adversário com o estatuto que o Sporting de Braga já conquistou por mérito próprio.
 Resultado: os minhotos tiveram durante toda a primeira parte superioridade numérica no meio-campo, e, como têm jogadores de boa qualidade técnica, que não perdem a bola sob "pressing", conseguiram segurá-la, trocá-la e sair com ela em transições ofensivas.
 Em consequência, os médios “encarnados” (Javi, Witsel e Bruno César, que recuava para médio interior direito quando a equipa perdia a posse de bola) foram forçados a defender mais atrás, quase sempre distantes dos dois pontas de lança.
 Acresce que José Peseiro teve particular atenção para bloquear as subidas dos laterais “encarnados”, em particular Maxi Pereira, colocando Ruben Amorim com a função específica de o bloquear, enquanto no lado oposto Alan fazia o mesmo ao nervoso Melgarejo, que raramente deu profundidade pela ala esquerda.
 Além disso, Salvio regressou à Luz e notou-se a falta de automatismos com Maxi e os seus companheiros, o que o levou, muitas vezes, a apegar-se demasiado à bola.
 Se é verdade que os minhotos controlaram o jogo na primeira parte, também é um facto que nunca conseguiram criar situações de rutura na defesa encarnada no último terço do campo, pecando sempre ao nível da entrada do penúltimo ou do último passe.
 Por isso, não surpreendeu que na primeira parte não tivesse havido oportunidades de golo flagrantes. O mais próximo disso foi um lance à beira do intervalo, concluído com um remate de Bruno César ao lado da baliza de Beto.
 Na segunda parte Jorge Jesus decidiu não mexer na equipa, mexida essa que teria de passar pelo sacrifício de um ponta de lança e o reforço do meio-campo (Carlos Martins ou Aimar) para equilibrar a equipa, quando o jogo o pedia, mas acabou por ser premiado.
 Com efeito, o Benfica chegou ao golo logo aos 49 minutos, por Salvio, numa jogada de Rodrigo junto à linha de fundo, e de repente o técnico “encarnado” estava como queria, em vantagem e a obrigar o Sporting de Braga a subir e assumir a iniciativa, para depois explorar as costas da defesa minhota com a velocidade de Salvio e de Rodrigo.
 Todavia, eis que entra em cena o novo lateral esquerdo criado por Jesus, Melgarejo, com dois lances infelizes, um autogolo e um passe de morte para Alan oferecer o golo a Mossoró (que é apanhado em jogo… porque Melgarejo ainda não subira).
 Num ápice, os minhotos apanharam-se a ganhar, "sem saber ler nem escrever", e as coisas complicaram-se seriamente para o Benfica, que só chegaria ao empate de grande penalidade, apontada por Óscar Cardozo, aos 73 minutos.
 A jogada ficou marcada por um erro do árbitro, que tomou a mão na bola de Custódio na área como sendo de Douglas. Desse lance resultou a expulsão do brasileiro (segundo amarelo), mas o Benfica, pese embora o esforço, não conseguiu tirar partido da superioridade numérica e voltou a não ganhar um jogo na abertura do campeonato, o que sucede desde a época 2004/2005.
FICHA DO JOGO:
 Encontro disputado no Estádio da Luz, em Lisboa.
 Resultado:
 Benfica – Sporting de Braga, 2-2.
 Ao intervalo: 0-0.
 Marcadores:
 1-0, Salvio, 49 minutos.
 1-1, Melgarejo, 54 (própria baliza).
 1-2, Mossoró, 63.
 2-2, Cardozo, 73 (grande penalidade).
 Equipas:
 Benfica: Artur, Maxi Pereira, Luisão, Garay, Melgarejo, Javi Garcia, Salvio (Enzo Pérez, 69), Witsel, Bruno César (Nolito, 63), Rodrigo (Pablo Aimar, 69) e Cardozo.
 Sporting de Braga: Beto, Salino, Douglão, Paulo Vinícius, Ismaily, Ruben Amorim, Custódio, Hugo Viana (Nuno André Coelho, 77), Alan (Djamal, 88), Lima e Mossoró (Ruben Micael, 68).
 Árbitro: Artur Soares Dias (Porto).
 Acção disciplinar: Cartão amarelo a Maxi Pereira (18), Leandro Salino (25), Alan (36), Douglão (52 e 72), Ruben Amorim (56), Bruno César (60) e Cardozo (74). Cartão vermelho por acumulação de amarelos a Douglão (72).
 Assistência: 53.357 espectadores.

* REACÇÕES DEPOIS DO ENCONTRO

 Jorge Jesus, treinador do Benfica:
 “Jogámos frente a equipa forte, que também luta pelo título. Foi dividido. O Sp. Braga entrou melhor, o Benfica foi melhor depois do intervalo. Acreditámos sempre que era possível dar a volta. Foi bem disputado. Ainda houve defeitos nas duas equipas, o que é normal. Foi um bom espetáculo. Não conseguimos vitória. Melgarejo? Os jogadores que temos merecem confiança. A maior parte do tempo o Melgarejo esteve bem, ofensivamente.”
José Peseiro, treinador do Braga:
 “Como objectivo qualquer equipa entra em campo com vontade de vencer, mas face ao que se passou no jogo vamos contentes com o empate.
 Sabíamos das dificuldades e da força que o Benfica tem. Queríamos ser uma equipa afirmativa, que defendesse bem, mas assumisse a iniciativa sempre que tivesse posse de bola. Penso que o conseguimos e vamos satisfeitos com o que fizémos e com o resultado, mas seria melhor ter vencido, claro. Agora, este empate vai dar-nos mais confiança para quarta-feira, a autoestima subiu.”