Empresário português morto em Luanda

0
63
Empresário português morto em Luanda

O empresário português morto no penúltimo domingo em Luanda foi baleado com dois tiros no primeiro andar do prédio onde tem escritório, disse fonte da Polícia, que considera tratar-se de um crime atípico por não ter havido roubo.

 “Trata-se de um crime atípico porque não foram roubados valores”, disse o comissário Carmo Neto, porta-voz da Polícia Nacional de Angola.

Segundo a mesma fonte, o empresário, José António Monteiro Gomes, tinha 82 anos e vivia em Angola há mais de 50. Tinha escritório no quinto andar do prédio onde foi assassinado.
 No interior do escritório, cuja segurança era garantida por uma empresa privada, havia valores, mas nada foi roubado, acrescentou Carmo Neto.

 As investigações estão em curso, mas encontram-se em segredo para não prejudicar o trabalho das autoridades, concluiu o porta-voz da Polícia, que se escusou a divulgar mais informações.
 Fonte da Embaixada de Portugal em Angola garantiu que o empresário foi assassinado no penúltimo domingo de manhã em Luanda, no prédio do seu escritório, na avenida marginal da capital angolana.
 A mesma fonte acrescentou que a família da vítima foi avisada, bem como o Gabinete de Emergência Consular, do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa.

 José António Monteiro Gomes desenvolvia a sua actividade empresarial a partir da Angofex, empresa sediada em Benguela, a cerca de 690 quilómetros a sul de Luanda.

 A notícia da morte de José António Monteiro Gomes fez a manchete do Diário de Notícias, que acrescenta que o empresário era um grande fornecedor alimentar do Exército e da Polícia angolanos e que foi perseguido antes de ser morto.
Actualmente vivem cerca de 120 mil portugueses em Angola, a maior parte dos quais reside na área da capital.