Empresária, velejador e associação musical da Madeira condecorados no Dia de Portugal

0
100

O chefe de Estado atribuiu três distinções honoríficas a madeirenses, a uma empresária hoteleira, um velejador olímpico e à associação musical e cultural Xarabanda, no dia 10 de Junho.

 As condecorações foram impostas pelo juiz conselheiro Ireneu Barreto, por delegação expressa de Marcelo Rebelo de Sousa, numa cerimónia solene que teve lugar ontem, Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas, no Palácio de São Lourenço, no Funchal.

 “As ordens honoríficas portuguesas visam galardoar personalidades e instituições que se hajam notabilizado, nomeadamente, por méritos pessoais, como também por ações relevantes em prol da comunidade”, recorda a nota informativa emitida pelo gabinete do representante da República.

 A empresária madeirense Muriel Dilly Henriques de Freitas Santos Ribeiro, que tem uma longa carreira ligada à hotelaria, começou a actividade com uma unidade no Funchal há 47 anos, com uma casa que herdou – a casa madrinha – e transformou em albergaria, vai receber o grau de comendador da ordem do Mérito Empresarial, classe do Mérito Comercial.

 Outro dos agraciados é o velejador madeirense João Rodrigues que será condecorado com o grau de comendador da Ordem do Mérito, sendo o atleta português com mais participações em Jogos Olímpicos (sete presenças) e um dos mais premiados do mundo.

 João Rodrigues começou a velejar na prancha de windsurf com 8 anos de idade e aos 20 chegou aos Jogos Olímpicos, em Barcelona (1992), não tendo falhado “qualquer edição até terminar a sua carreira olímpica em 2016”, no Rio de Janeiro.

 Nessa prova foi escolhido pelo Comité Olímpico de Portugal (COP) para ser o porta-estandarte da delegação portuguesa.

 O atleta, licenciado em Engenharia Mecânica, reúne também vários títulos de campeão do Mundo e da Europa e numerosas vitórias nas principais regatas internacionais, tem publicado alguns livros falando das suas experiências pessoas.

 Também tem desenvolvido uma “intensa actividade de apadrinhamento de causas sociais e na participação em iniciativas dirigidas aos jovens madeirenses” para quem é uma referência.

 O título de Membro Honorário da Ordem de Mérito foi atribuído à Associação Musical e Cultural Xarabanda, que começou como um grupo de cantares regionais em 1981, apostando nas violas de arame, braguinhas e aos rajões, instrumentos fundamentais no cancioneiro tradicional madeirense.

 Desenvolveu ainda um trabalho de recolha de músicas, instrumentos e canções tradicionais da Madeira, procurando criar um reportório próprio de intervenção.

 Esta associação Xarabanda tem promovido e participado “em vários projectos musicais, etnográficos e culturais em parceria com diversas instituições, fruto do trabalho de recolha, arranjo e apresentação da tradição musical madeirense”, contando com vários discos e a publicação de uma revista.

 Em 2002, foi declarada pelo Governo da Madeira como Instituição de Utilidade Pública, o que constituiu uma forma de reconhecimento do “mérito pelo trabalho de divulgação da cultura madeirense a nível nacional e internacional”.

 Nas últimas décadas também contribuiu para promover os cordofones tradicionais em vários grupos musicais, incluindo junto de crianças e jovens, o que permitiu a formação de largas dezenas de executantes na região.