Economia portuguesa vai sofrer uma contracção sem precedentes

0
55
Economia portuguesa vai sofrer uma contracção sem precedentes

A economia portuguesa vai sofrer, no período entre 2011 e 2013, "uma contração que não tem precedente" histórico, adverte o Banco de Portugal (BdP) no seu Boletim Económico de Inverno.

 Segundo as previsões do BdP, o Produto Interno Bruto (PIB) português contraiu-se 1,6 por cento em 2011, vai cair 3,1 por cento em 2012 e só crescerá 0,3 por cento em 2013. Estas projecções são, em termos gerais, mais pessimistas que as avançadas anteriormente pelo Governo e pela ‘troika’.
 O Banco também está à espera de "uma contração sem precedente do consumo privado, em particular do consumo de bens duradouros" no período em análise.

 Esta redução deve-se, em parte, às medidas de contenção orçamental do Governo, como o aumento de impostos ou o cancelamento de subsídios. Essas medidas "implicam uma contração do consumo e do investimento" do Estado, sobretudo em 2012, mas deverão "criar condições para um crescimento sustentável no longo prazo".
A contração da actividade económica deverá sentir-se sobretudo no setor de "bens e serviços não transacionáveis" (por exemplo, distribuição ou imobiliário). Pelo contrário, o sector dos bens transacionáveis poderá beneficiar do crescimento das exportações.
 O BdP nota ainda que "as condições de financiamento da economia portuguesa deverão manter-se restritivas", com a continuação do processo de desalavancagem (desendividamento) da banca.

 O BdP nota ainda que os “riscos” para as projecções do Boletim de Inverno são no sentido negativo. Isto é, as probabilidades de a economia evoluir ainda pior que o previsto são superiores às de haver uma surpresa positiva.
O principal fator de incerteza tem a ver com o enquadramento internacional da economia portuguesa. Ou seja, há uma hipótese forte de a procura externa dirigida aos produtos portugueses se reduzir mais que o previsto, o que teria como consequência um crescimento mais moderado das exportações.

 O BdP também nota que não é possível prever com total certeza os impactos das medidas de austeridade, “tanto no que diz respeito à sua magnitude como ao seu perfil temporal”. Afinal, nota o Banco, também no rendimento disponível dos particulares se vai registar “uma contração sem precedente”.