Dois golos de Rodrigo garantem triunfo do Benfica que sofreu até ao apito final

0
66
Dois golos de Rodrigo garantem triunfo do Benfica que sofreu até ao apito final

Dois golos de Rodrigo garantem triunfo do Benfica que sofreu até ao apito finalO Benfica voltou a igualar o FC Porto na liderança da Liga de futebol, após vencer na recepção ao Olhanense, por 2-1, num encontro em que relaxou demasiado cedo e acabou por sofrer, sem necessidade, nos minutos finais.

 Em encontro da nona jornada, o espanhol Rodrigo foi a grande figura, ao bisar nos primeiro e 13.º minutos e cedo deu uma vantagem confortável aos "encarnados", que a partir daí optaram por poupar esforços, uma decisão que podia ter custado caro.
 No início da segunda parte, Wilson Eduardo reduziu para o Olhanense e fez tremer a estrutura da formação do técnico Jorge Jesus, que até final mostrou-se nervosa, sem alcançar o desejado terceiro tento, que daria nova vantagem confortável.

 Nos últimos segundos da partida, o veterano Djalmir apareceu solto na área "encarnada" e em excelente posição para empatar a partida, mas Luisão acabou por ser o "herói" do Benfica, opondo-se com coragem ao remate do jogador do Olhanense, garantido o triunfo, no oitavo aniversário do Estádio da Luz.

 Apesar desta oportunidade, o empate seria um resultado pouco merecido para o Olhanense, já que durante toda a partida a formação treinada por Daúto Faquirá mostrou muito pouca ambição para uma equipa da primeira metade da tabela do campeonato.
 Com este triunfo, suado, o Benfica voltou a apanhar o FC Porto no comando da Liga, com 23 pontos.

 Num "onze" sem qualquer jogador português, o técnico Jorge Jesus deu pela primeira vez a titularidade no campeonato a Rodrigo, deixando Saviola sentado no banco, e o jovem avançado "agradeceu" logo no primeiro minuto, com o primeiro golo da partida.
 Gaitan isolou Rodrigo na direita e o espanhol bateu com estilo o guarda-redes Fabia-no, deitando por terra qualquer táctica e estratégia da formação algarvia.

 Com Maxi Pereira também de regresso após lesão, o Benfica teve pela frente um adversário demasiado frágil para este nível, com muitos problemas defensivos e sem qualquer ambição no ataque. Em toda a primeira parte, o Olhanense apenas rematou uma vez à baliza de Artur.
 A equipa da Luz aproveitou e chegou ao segundo golo, aos 13 minutos, novamente por Rodrigo, que desta vez só teve que encostar de cabeça, após um lance confuso na grande área dos algarvios.

 A partir daí, o Benfica claramente começou a pensar no jogo de quarta-feira da "Champions", frente ao Basileia, e foi controlando a partida sem grande esforço, perante um Olhanense completamente inconsequente.
 Por essa razão, Jesus deixou Aimar no balneário ao intervalo e fez entrar o belga Witsel, com claro objectivo de ter o "mágico" argentino a 100 por cento frente ao Basileia.

 Contudo, sem nada prever, o Olhanense reduziu aos 47 minutos, com Wilson Eduardo a aparecer sem marcação e a rematar com sucesso para as redes de Artur, após centro de João Gonçalves, numa jogada construída por dois jogadores com ligação contratual ao rival Sporting.
 O Benfica sentiu o golo sofrido, mas o Olhanense nunca soube aproveitar o nervosismo crescente em alguns jogadores dos "encarnados".
 Aos 69 minutos, a equipa da casa pensou que tinha alcançado o golo da tranquilidade, por Cardozo, mas o tento do paraguaio foi anulado por fora-de-jogo, num lance que no estádio deixou muitas dúvidas.

 Os minutos foram passando e o Benfica, com alguns jogadores a apresentarem já algum cansaço e apesar de maior controlo da bola, raramente incomodou o guarda-redes do Olhanense.

 Nos instantes finais, Djalmir, entretanto lançado no jogo por Daúto Faquirá, teve mes-mo oportunidade de chegar ao empate, mas Luisão não deixou que o remate do brasileiro chegasse à baliza de Artur.