Dois golos de Jackson Martinez no final do encontro resgatam o FC Porto na Liga dos Campeões

0
223
Dois golos de Jackson Martinez no final do encontro resgatam o FC Porto na Liga dos Campeões

Dois golos do colombiano Jackson Martinez, um dos quais no período de descontos, evitaram uma derrota anunciada e ajudaram ao empate (2-2) do FC Porto no terreno emprestado ao Shakhtar, na segunda jornada da Liga dos Campeões de futebol.

 O avançado sul-americano, que até começou no banco de suplentes, soma três golos na prova (marcou um dos seis na goleada ao BATE Borisov, na primeira jornada) e “redimiu” duas péssimas acções defensivas de Óliver e Maicon, das quais resultaram os golos ucranianos, assim como um penálti falhado de Brahimi, ainda com o marcador a zeros.

 Os “dragões”, que entraram no último minuto do encontro a perder por 2-0, fizeram em cinco minutos tudo o que não conseguiram antes, não evitando, ainda assim, que a equipa ucraniana mantivesse a invencibilidade em casa desde o início da fase de Grupos da anterior edição da prova.

 Um resultado que permite ao FC Porto, que jogou em Lviv por impedimento (conflito militar) do Estádio de Donetsk, passar para a liderança isolada do Grupo H, com quatro pontos, mais um do que o BATE Borisov, que na noite venceu o Athletic de Bilbau (um ponto) por 2-1, e mais dois que o adversário desta noite.

 Com o central espanhol Iván Marcano no papel de médio defensivo, por ausência de Casemiro, a maior novidade no onze montado por Julen Lopetegui, no âmbito da sua estratégia de rotatividade, foi a substituição de Jackson Martinez pelo camaronês Aboubakar na posição de ponta de lança.

 A primeira parte foi jogada em grande velocidade e os ucranianos foram os primeiros a criar perigo, aos 10 minutos, à custa de um remate do brasileiro Taison, a que Fabiano correspondeu com uma boa defesa.

 Seguiu-se um período de maior ascendente da equipa portuguesa, durante o qual Danilo e Aboubakar conseguiram boas posições de remate, mas a bola passou ao lado da baliza de Pyatov.

 Aos 35 minutos, Brahimi sofreu falta dentro da área, mas o argelino, encarregado da marcação do penálti, permitiu a defesa do guarda-redes.

 A dois minutos do intervalo, e sempre com os “dragões” mais perigosos que a equipa da casa, Aboubakar, muito activo na posição de pivot ofensivo, desmarcou Tello, que rematou cruzado, fazendo a bola passar, de novo, a centímetros do alvo.

 Apesar do “ar mandão” dos portistas desde o reatamento, uma “prenda” do espanhol Óliver a Kuscher, após tentar controlar um lance dentro da área portista, permitiu ao ucraniano passar a bola a Alex Teixeira, que fez golo, aos 52 minutos.

 Aos 65, Quintero e Jackson Martinez renderam Marcano e Aboubakar, mexida que valeu, de imediato, um remate perigoso do “criativo” colombiano, mas ao lado da baliza, o que repetiu cinco minutos depois, mas para defesa de Pyatov.

 Com o Shakhtar completamente “fechado” atrás, pouco mais se viu além de um re-mate perigoso de Adrián, que entrara a render Brahimi, após ganhar posição dentro da área, a passe de Quintero.

 A cinco minutos do fim, nova falha portista em zona proibida, desta vez de Maicon, que demorou a “aliviar” o lance, permitiu uma recuperação junto à área portista, com Bernard a aparecer na esquerda a cruzar para o segundo golo, marcado por Luís Adriano.

 A um minuto do final, Rakitskiy cortou a bola com o braço dentro da área e Jackson Martinez reduziu para 2-1, da marca do penálti.

 E, praticamente no último lance do encontro, já em período de descontos, o espanhol Tello ultrapassou um defesa ucraniano, cruzou e Jackson Martinez apareceu de rom-pante a desviar para o golo e a igualar a partida, em tempo de descontos, aos 94 minutos.