Detectada nova variante do coronavírus na África do Sul

0
186

Uma equipa de investigadores sul-africanos detetou uma nova variante do coronavírus SARS-COV-2 que atinge pacientes mais jovens, anunciou esta sexta-feira o ministro da Saúde

  variante ‘501.V2’ do vírus SARS-COV-2 foi identificada por investigadores sul-africanos e comunicada à Organização Mundial da Saúde (OMS)”, disse em comunicado o ministro Zweli Mkhize.

Segundo o governante sul-africano, a equipa de investigação científica sul-africana, liderada por Túlio de Oliveira, do Centro de Inovação e Pesquisa da Universidade do KwaZulu-Natal (KRISP, na sigla em inglês), sequenciou centenas de amostras de todo o país desde o início da pandemia em março.

  “Os investigadores notaram que uma determinada variante dominou os resultados dos últimos dois meses”, explicou Mkhize, salientando que notaram também uma mudança no panorama epidemiológico, “principalmente com pacientes mais jovens, que desenvolvem formas graves da doença”.

  “Tudo indica que a segunda vaga que estamos a atravessar é transportada por esta nova variante”, acrescentou o ministro.

  Segundo o Zweli Mkhize, os investigadores alertaram também o Reino Unido para a identificação da nova variante sul-africana, o que permitiu “estudar as suas próprias amostras e encontrar uma variante semelhante”.

  “Foi a variante que estava a impulsionar o seu ressurgimento em Londres, levando a um anúncio feito no Parlamento e ao bloqueio instituído em Londres para conter a disseminação dessa variante”, salientou.

  Zweli Mkhize disse que não esperava uma segunda vaga da pandemia tão rapidamente no país, acrescentando que “embora a nova variante seja motivo de preocupação não há motivo para pânico”.

  O ministro da Saúde sul-africano explicou ainda que a África do Sul irá também verificar se as vacinas actuais serão eficazes na prevenção da nova variante.

  A África do Sul, o país mais afetado pela pandemia do novo coronavírus no continente, regista 901.538 infeções e 24.285 mortos por covid-19, anunciaram as autoridades da Saúde sul-africanas.

 

TÚLIO DE OLIVEIRA: BIOGRAFIA

 

  O Prof. Túlio de Oliveira é um bioinformático que está na África do Sul desde 1997. Recebeu BSc na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil, e MSc / PhD na Escola de Medicina Nelson Mandela, no KwaZulu-Natal, África do Sul.

  Foi premiado com duas bolsas de estudo de prestígio, um Marie Curie Research Fellow da Comissão Europeia na Universidade de Oxford, Reino Unido, de 2004 a 2006 (que foi seleccionado como um dos 20 maiores pesquisadores inspiradores da Europa) e uma bolsa de estudos Newton Advanced da Sociedade Real do Reino Unido o Wellcome Trust Sanger Institute em Cambridgeshire e a Universidade de Edimburgo de 2015-2019.

  Foi o director do Programa de Genômica no Wellcome Trust Africa Center for Health and Population Studies na África do Sul e professor sénior na Divisão de Infecção e Imunidade da University College London (UCL) de 2009 a 2015.

  Em 2015, tornou-se professor no KwaZulu-Natal e em 2017 fundou a KRISP. Em 2018 tornou-se professor associado em Saúde Global na Universidade de Washington, Seattle, EUA.

  O Prof. de Oliveira trabalha há mais de 20 anos com surtos virais, incluindo HIV, Hepatite B e C, Chikungunya, Dengue, SARS-CoV-2, Zika e Vírus da Febre Amarela. Possui mais de 150 publicações, muitas delas nas principais revistas científicas, Nature, Science e Lancet.

  A KRISP possui instalações laboratoriais de última geração e uma capacidade científica não comumente encontradas em África.

  Isso coloca a equipa multidisciplinar na posição ideal de ser capaz de desempenhar um papel crítico no apoio à resposta de saúde pública à pandemia de COVID-19.

 

CARGOS

 

Director: KRISP – Plataforma de Sequenciamento de Inovação e Pesquisa do KwaZulu-Natal.

Professor – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de KwaZulu-Natal.

Professor do Departamento de Saúde Global, University of Washington, Seattle, EUA.

Pesquisador Associado Sénior, Centro para o Programa de Pesquisa de SIDA na África do Sul (CAPRISA).

Vice-presidente: Sociedade Sul-Africana de Bioinformática (SASBi).