Deputada Mónica Ferro conviveu em Pretoria com directores e associados da ACPP

0
85
Deputada Mónica Ferro conviveu em Pretoria com directores e associados da ACPP

Aproveitando a sua deslocação à África do Sul, para em Joanesburgo participar em conferência internacional, a deputada do PSD, eleita por Lisboa, e na Comissão dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, dra. Mónica Ferro deslocou-se a Pretória na última terça-feira, 4 de Dezembro, onde acompanhada do dr. João Pedro Pereira do AICEP, e do adido social, dr. Gonçalo Capitão, almoçou com directores sócios e amigos da ACPP, incluindo representantes do banco BPI na capital do rand.

 Neste convívio, onde lhe foram entregues lembranças pelos directores desta colectividade, usou em primeiro lugar da palavra o presidente da assembleia-geral da agremiação promotora do almoço, Manuel José, para as boas vindas à dra. Mónica Ferro, a quem agradeceu a deferência dessa visita à colectividade, não obstante o pouco tempo que teve para o fazer, e assim poder apreciar e levar uma imagem do património da Associação da Comunidade Portuguesa de Pretória, ao mesmo tempo que se mostrou reconhecido aos bons amigos da casa que se associaram a este almoço de confraternização, e pelo que têm feito, provado em amizade a sua ligação a esta ACPP.

 Referindo-se em traços gerais à evolução através dos tempos, desta ACP de Pretória, colectividade a que desde longa data está ligado, não só como simples associado, mas também em diferentes cargos directivos, incluindo a liderança de alguns executivos, daí conhecer como poucos, tudo o que por ali tem ocorrido em actividades, progresso e potencial, Manuel José garantindo a Mónica Ferro estar ali rodeada de bons amigos de Portugal, e por conseguinte deixar bem claro alguma coisa que o Governo português possa fazer por nós, por nosso lado também faremos por Portugal.

 A esse propósito e na parte negativa, Manuel José lamentou que não obstante a exposição feita na altura ao secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, a fim de se poder evitar o encerramento das escolas do ensino básico e secundário, devidamente oficializado, não obstante as professoras que ali davam aulas serem pagas pela ACPP, por ao que se dizia o Governo português não ter disponibilidades para tal, quando hoje há di-nheiro para tudo -, acabaram por imposição de alguém ter que fechar as portas, o que não se compreende e é difícil aceitar, dado vir contra a moral apregoada pelos nossos governantes em se incutir nas novas gerações o gos-to pela Língua e Cultura Portuguesa, quando na ACPP, na altura com autocarro próprio para transporte dos alunos, tudo, até as paredes lhes falando de Portugal, aliado ao facto de alguns desses jovens alu-nos passarem a integrar o rancho folclórico por esses anos em actividade, e as equipas de futebol do clube, daí considerar até hoje um espinho encravado na garganta.

 Convidada a usar da palavra, a deputada Mónica Ferrocomeçou por a todos saudar e agradecer a maneira simpática como ali fora recebida e tratada, referindo em relação a esta grande ACPP, que pelo conjunto de instalações a deixara admirada, ser fruto do vosso empenho e da vossa dedicação, o que prova ter sido pelo que vi, uma prioridade para todos vós, que longe do torrão natal continuam no estrangeiro a promover e a elevar a imagem e o bom nome de Portugal, enquanto em relação a esta e outras co-munidades ter alegado ser uma preocupação de todos nós para que nas mesmas tudo corra da melhor maneira, certamente referindo-se com isso aos governantes e outras entidades oficiais em que ela própria se enquadra, prometendo por seu lado tudo fazer para que essa pretensão e ideais continuem a ser respeitados.

 Considerando-se surpreendida pelo conjunto de factores que aqui veio encontrar, nesta sua primeira visita à África do Sul, contrariamente ao que lhe disseram e parece ser voz corrente em Portugal, in cluindo o clima de insegurança, partindo daqui com uma ideia muito clara e positiva, mediante o que lhe foi dado observar num país dotado de boas infraestruturas, e com todas as con-dições para se afirmar mui-to importante no continente africano, desejando a to-dos os que consigo ali conviveram as maiores felicidades futuras.