De Casa do Porto de Pretória a Casa do Porto Building

0
337

  Fundado em reunião efectuada a 21 de Março de 1971, na residência de Sílvio de Fontes Reis, em 542 de Luttig Street, de Pretória West, onde para além dos jogos de sueca entre os associados, eram projectados alguns filmes nas traseiras da residência, mais propriamente no pátio fronteiriço aos anexos, que passou a funcionar na ocasião como sede do clube, sendo os bailes que periodicamente se organizavam, realizados no salão da igreja católica de Hercules, mas com o aumentar de sócios e actividades, o Porto Fu-tebol Clube de Pretória viria a transferir-se no ano seguinte para as instalações de uma antiga igreja existente na Grand Street, perpendicular à Potgieter Street, cedida pelo município local, por tempo indeterminado com o pagamento simbólico de R1.20 anuais.

  A pensar na possível construção de uma sede própria, Arménio Lopes da Silva, foi a pessoa incumbida pela Direcção de então, de junto do Departamento de Parks and Recreations, do respectivo pelouro citadino, se inteirar da veracidade da informação e, caso afirmativo, em que condições, dado constar estar nos planos camarários da capital sul-africana, a cedência de um parque desportivo na área de Pretória West, onde por sinal já havia um campo de rugby, e um outro para a prática de basquetebol.

  Embora havendo na altura um outro clube português interessado nas instalações, segundo ru-mores a ACPP, a edilidade optou pelo Porto Futebol Clube de Pretória, tomando em conta tratar-se de agremiação devidamente formada e re-gistada, coisa que a outra pretendente na altura não lhe era possível provar.

  Assinado que foi o contrato válido por trinta e três anos prorrogáveis, com uma renda mensal de trinta e seis randes, foram iniciadas de ime-diato, isto em 1976, as obras de vedação do terreno, e em Novembro de 1977 as do salão nobre, complexo que incluía cozinha, bar, salão de festas, salas de reuniões, de convívio, de jogos e sanitários, construções que devido a serem efectuadas apenas aos fins-de-semana e feriados, por sócios, amigos e simpatizantes do clube, com a ajuda de algumas firmas ligadas ao ramo de construção civil, se prolongaram por dois anos.

  Com a presença do então Mayor de Pretória, J.H. Visse, do vice-cônsul Mário Silva e outras destacadas figuras representativas da nossa comunidade, foi o complexo oficialmente inaugurado a 26 de Maio de 1979 com grandiosa festa, ficando a sede com o nome de Casa do Porto de Pretória e o clube continuar a ser designado tal como anteriormente fora fundado, Porto Futebol Clube de Pretória.

  O património foi sendo gradualmente enriquecido, incluindo a construção de um ringue de patinagem e balneários para o hóquei em patins e o futebol praticado no campo a quem em reconhecimento ao muito que fez pela colectividade foi dado o nome de Comendador A. F. Vieira, e a sua esposa Carmen Vieira o título de madrinha da Casa do Porto.

  Chegando em desporto a ter equipas envolvidas em campeonatos de hóquei em patins e de futebol, nesta última modalidade a competir em under/12, 14, 16 e 18, com destaque para a equipa principal que em 2011, último ano em que o Porto participou no então Gold League, se classificou em oitavo lugar, para além de noutras anteriores competições chegar a conquistar títulos e boas classificações nos designados Promotion, Steve Alexander e Premier League do  Northern Transvaal, chegando a militar mais tarde na terceira divisão do Transvaal League, para em colts ser campeão da segunda divisão, por aqui se vendo a grandeza do clube.

  Depois de todos esses sucessos, a Casa do Porto, que no seu amplo salão festejou vários eventos, incluindo Dias de Portugal, passagens de anos, eleição de rainhas, festivais de folclore, marchas populares, bailes de carnaval, festejos de Santa Eufêmia da Carriça e muitos outros, como último evento a noite de gala de homenagem aos seus atletas, a 27 de Novembro de 2010, com a presença do então embaixador de Portugal, Ramos Pinto, e a esposa do presidente do Futebol Clube do Porto, Filomena Pinto da Costa, enquanto em eventos sociais da comunidade foi ali como último festejado o Dia da Mãe a 9 de Maio de 2011.

  Por já ter o seu salão alugado à “The Favors Cathedral Church” para os seus cultos, e a quem viria a vender o conjunto de instalações, ser a comemoração desse evento realizado na  varanda do primeiro andar, diga-se com excelente vista de panorama à sua volta, isto quando Victor da Silva foi como último presidente da Direcção da casa representativa do norte de Portugal, como disso era elucidativo o cartaz afixado por cima do portão de entrada nas instalações.    

  Quando em 2017 a Casa do Porto/Porto Futebol Clube de Pretória, como clube nortenho reconhecido em 2009 com o Dragão D’Ouro pelo Futebol Clube do Porto, vendeu o conjunto de instalações à The Favors Cathedral Church, esta que já ali vinha fazendo há alguns anos os seus cultos dominicais no vasto salão.

  Para a transacção da propriedade foi constituída a seguinte comissão negociadora : Luís Faria, na altura presidente da Assembleia-Geral, Victor Silva presidente da Direcção, Carlos Oliveira no conselho fiscal, Joaquim Pinto da Silva, Daniel de Oliveira, Manuel da Silva, José Coelho, Bernardino Vieira, Joaquim da Silva Peito e Nelo de Castro.

  Vendidas que foram essas instalações em Buitekant Street, de Pretória West, chegando a constar estar nos planos da comissão, como na altura alguém a ela ligada fez constar, vir a adquirir na área de Colbyn uma propriedade dotada de condições, para depois de algumas alterações poder servir como sede da Casa do Porto.

  Por conseguinte ali continuar em actividade, só que depois e certamente ponderados alguns prós e contras, viria pelo que considerou mais rentável e com menor preocupação, optar pela compra da propriedade urbana, de que presentemente é proprietária em Nico Smith Street, de Villieria, que denominada Casa do Porto Building, operam ali o Porto Palace Hotel, o Bosveld Braai Liquors, ex-Sharbel Bottle Store, o restaurante Mesa Portuguesa, o Escape Sports Bar e o Printer Repairs.

  Por desde algum tempo a esta parte termos sido abordados por ex-sócios e simpatizantes da Casa do Porto/Porto Futebol Clube de Pretória, a manifestar o desagrado pelo silêncio da comissão, em vez de esclarecimento através de reunião a título informativo, ou por intermédio da comunicação social, lhes ser dado conhecimento da actual situação e projectos futuros.

  Dado o silêncio desconhecerem em absoluto todo esse processo e planos futuros, tal como nós, pelo que em resposta nada lhes podermos adiantar, para além de até prova em contrário, nada em desabono nos constando acerca da ho-nestidade e boa reputação de cada um dos que constituem tal comissão, daí todos nos merecerem a maior confiança.

Vicente Dias