Covid-19: Meia centena de idosos portugueses impedidos de frequentar centro de dia na Cidade do Cabo

0
332

Cerca de 50 idosos portugueses estão, há quase dois meses, sem frequentar o Centro Português de Cultura e Beneficiência do Cabo, encerrado devido à covid-19, disse hoje à Lusa a responsável daquela instituição.

“Tivemos que encerrar o centro de dia, que é frequentado por cerca de 50 idosos, no dia 26 [de Março], logo depois do início do confinamento, e neste momento não sabemos quando poderá ser reaberto”, afirmou à Lusa Teresa Jardim.

“Todos os meses, fazíamos também um almoço e uma festa para os mais velhos que vinham todas as segundas-feiras passar cá o dia, fazer bricolage, pintura e jogar ao dominó, e isso também parou”, referiu.

A directora do centro de dia do Centro Português de Cultura e Beneficiência do Cabo, da qual é também a vice-presidente, sublinhou que além das actividades solidárias que a instituição presta à comunidade portuguesa no Cabo Ocidental, epicentro da pandemia no país, o confinamento de contenção da covid-19 ameaça a própria sobrevivência da instituição por não poder realizar os populares eventos culturais, devido às medidas de contenção decretadas.

“Neste momento estamos com restrições de confinamento de nível 4, que as pessoas não estão a respeitar, mas que prejudicam o comércio, na sua maioria ‘fish-shops’ [pequenos negócios de ‘take-away’], e julgo que todos estão a passar por enormes dificuldades”, afirmou à Lusa.

Teresa Jardim comentou que “se não abrirem os negócios em breve, vão ter de encerrar as portas para sempre”, acrescentando que “sem rendimento, as pessoas não têm como pagar rendas e despesas correntes”.

“A situação é particularmente difícil para o nosso centro porque angariávamos apoios através de vários eventos culturais, festas de aniversário, aluguer de espaços, entre outros, e somos obrigados a estar parados com rendas e empréstimos para pagar”, declarou.

Na tentativa de manter as causas solidárias à comunidade portuguesa no Cabo e angariar apoios para a sua sobrevivência, a responsável lusodescendente disse que a instituição, com “a ajuda de um músico amigo”, começou a realizar concertos de música “ao vivo” na rede social Facebook.

“No primeiro concerto ao vivo no Facebook que fizemos na quadra da Páscoa, durante cinco horas, conseguimos angariar 47.000 rands [2.363 euros] em donativos, o que é uma tremenda ajuda para o centro de dia”, referiu.

Os concertos mantêm-se, referiu a mesma fonte, mas o agravamento da pandemia no Cabo Ocidental poderá colocar em causa a realização do festival marítimo “Bênção dos Barcos” [popularmente conhecido em inglês por ‘Blessing of the Fishing Fleet’], que a instituição portuguesa organiza há mais de três décadas no sul do continente africano.

O evento cultural turístico, que acontece na primeira semana de Outubro, atrai todos os anos à marina da Cidade do Cabo cerca de 5.000 visitantes, sendo por isso a principal fonte de receita da organização, salientou.

A instituição foi criada em 1989, na sequência das actividades culturais desenvolvidas pelo rancho folclórico ‘Portuguese Folk Dance Group of Cape Town’ desde 1968, na Cidade do Cabo, pelo imigrante madeirense António Martins, que completa 99 anos no fim deste ano.

A Cidade do Cabo e arredores são o epicentro da propagação da doença respiratória covid-19, contabilizando mais de metade dos casos de infecção confirmados no país.

Até à data, a África do Sul confirmou 11.350 casos de covid-19 sendo o Cabo Ocidental, sul do país, a província que regista o maior número de pessoas infectadas com 6.105 casos positivos, indicou o Ministério da Saúde.

A doença causou já 206 mortos no país desde 5 de Março, dos quais 106 registaram-se no Cabo Ocidental.