Convívio de Natal da Liga da Mulher Portuguesa

0
174

 Em elegante convívio realizado no penúltimo sábado, 7 de Dezembro, no salão da Casa do Benfica, em Pretória, a Liga da Mulher Portuguesa, em colaboração com a Universidade Sénior Boa Esperança, promoveu na capital sul-africana o seu convívio de Natal, nele participando um bom número de senhoras de Pretória, Joanesburgo, Krugersdorp e Benoni, entre as quais a embaixatriz Joana de Carvalho, as comendadoras Manuela Rosa e Fátima de Castro, a pintora em porcelana e tecido Cremilda Cardoso, a conselheira da Comunidade por Pretória, Helena Rodrigues, Mimi Jardim, Lídia Gonçalves, e em cavalheiros Carlos Calado e o presidente da Casa do Benfica, José Brunido.

 Neste convívio usou em primeiro lugar da palavra a presidente da Liga da Mulher Portuguesa, Manuela Calado para a todos saudar com amizade e agradecer a presença de todas as pessoas no  convívio, como classificou de simples e informal para celebrar uma quadra tão especial no calendário Cristão, com destaque para a embaixatriz Joa-na de Carvalho, se mostrar reconhecida ao presidente da Direcção da Casa do Benfica pela cedência das instalações onde se convivia, e eram celebradas estas datas de muito significado para todos quantos ali confraternizavam, sendo da sua autoria o resumo do que tem sido a actividade da Liga da Mulher que lidera, nestes termos:

 “A Liga da Mulher Portuguesa é uma organização antiga, onde adoramos manter tudo o que tem a ver com as tradições e cultura portuguesa, gostamos de Camões, de Fernando Pessoa, de Sophia de Mello Breyner, damos valor ao nosso fado e folclore, aos bordados da Madeira e de Viana, aos tapetes de Arraiolos, pintura em tela, e damos muito valor à culinária portuguesa que continua a ser adorada por todos nós”.

 Mostrando-se radiante em ver ali naquela tarde em alegre confraternização, como classificou de tanto significado, a todas essas presenças  desejando uma tarde bem divertida, para depois de dar a conhecer a exposição de artesanato da grande artista da comunidade Cremilda Cardoso, passar a enumerar os eventos a celebrar em 2020, como sendo a 29 de Março o Dia Internacional da Mulher, a 10 de Junho o Dia de Portu-gal, 9 de Agosto o Dia Nacional da Mulher Sul-Africana, e 29 de Novembro celebração de Natal no lar de idosos S. Francisco de Assis.

 Em relação aos fundos angariados na mesma tarde, Nela Calado referiu destinarem-se a apoiar a Universidade Sénior, um projecto da Liga da Mulher Portuguesa, onde são dadas lições de informática, pintura, inglês, português e de golfe a pessoas da nossa comunidade em Pretória, com as aulas nestas especialida-des a serem iniciadas a 10 de Fevereiro, às terças, quartas, quintas e sábados, para em relação à Liga da Mulher que lidera afirmar:

 “Fundada a 7 de Dezembro de 1988, por um grupo de mulheres portuguesas, orientadas por Manuela Rosa, e que acreditaram na necessidade de valorizar as nossas mulheres emigrantes, grande parte delas sem quaisquer habilitações académicas, e ocupando, a maioria, um lugar em segundo plano na sociedade em que viviam.

 Esta organização teve como objectivo principal a promoção cultural e social da mulher portuguesa, defesa dos seus direitos, o desenvolvimento da língua, cultura e tradições portuguesas e reforçar os laços de amizade entre todas, do intercâmbio nasce mais conhecimento, mais cultura geral, mais segurança no seu contributo à sociedade em que vivemos.

 Estamos também atentos a tudo o que se passa à nossa volta e temos encontros entre as comunidades que perfazem o tecido da sociedade sul-africana, tentando ouvir as suas ideias, anseios e necessidades e cooperando naquilo que nos é possível, agora também com o apoio da Universidade Sénior Boa Esperança”.

 Convidada a dirigir ali algumas palavras a embaixatriz Joana de Carvalho, depois das saudações amigas a todas as presenças, viria a referir na sua intervenção: “Sabe por que o Pai Natal não existe? Porque é homem, Dá para acreditar que um homem vai se preocupar em escolher o presente de cada pessoa de família, ele que nem compra as próprias meias? Que vai carregar nas costas um saco pesadíssimo, ele que reclama até para colocar o lixo no corredor? Que aceitaria usar vermelho dos pés à cabeça, ele que só abandonou o castanho depois de conhecer o azul marinho? Que andaria num trenó puxado por renas, sem arcondicionado, direcção hidráulica e airbag? Que passaria pela vergonha de descer pela chaminé para receber em troca o sorriso das criancinhas? Ele não faria isso nem pelo sorriso da Angelina Jolie! A Mãe Natal, sim, existe.

Quem sabe a diferença entre a Mulan e a Esmeralda, quem conhece o nome de todas as Chiquititas, quem merecia ser sócia-maioritária da Superfestas? Não é o bom velhinho.

 Quem coloca guirlandas nas portas, velas perfumadas nos castiçais, arranjos e flores vermelhas pela casa? Quem monta a árvore de Natal, harmonizando bolas, anjos, fitas e luzinhas, e deixando tudo combinado com o sofá e os tapetes? E quem desmonta essa parafernália toda no dia 6 de Janeiro?

 O Pai Natal ainda estará de ressaca no Dia de Reis. Quem enche o frigorífico de cerveja, coca-cola e champanhe? Quem providencia o perú, o arroz à grega, o sarrabulho, as castanhas, a musse de atum, as lentilhas, os guardanapinhos decorados, os cálices lavadinhos, a toa-lha bem passada e ainda se lembra de deixar algum disco meloso à mão?

 Quem se lembra de dar uma lembrancinha para o zelador, o porteiro, o carteiro, o entregador de jornal, o cabeleireiro? Quem compra o presente do amigo-secreto do escritório do Pai Natal? Deveria ser o próprio, tão magnânimo, mas ele não tem tempo para essas coisas. Anda muito requisitado como a representar o Pai Natal.

 Enquanto o Pai Natal distribui beijos e rebuçados, bem acomodado no seu trono, no shopping, quem entra em todas as lojas, pesquisa todos os preços, carrega sacolas, confere listas, lembra da sogra, do sogro, dos cunhados, dos irmãos, entra no cheque especial, deixa o carro ao sol e chega em casa sofrendo porque comprou os mesmos presentes do ano passado?

 Por trás do protagonista desse megaevento chamado Natal existe alguém em quem todos deveriam acreditar. Viva a Mãe Natal!

 Nesta sua intervenção a nossa embaixatriz viria a referir, não existir segredos para falar de Natal, basta olhar para dentro de nós mesmos. No Natal estamos propícios a amar mais, ter mais carinho, ser mais solidários e mais verdadeiros. Vamos aproveitar todos estes sentimentos, fazendo-os prolongar ao longo de todo o ano. Que os sinos do Natal sejam os mensageiros de boas festas e que o ano novo seja replecto de realizações, recitando a seguida o poema intitulado de Natal, da autoria de Nelson Fontes Carvalho, terminando com votos a todos de Feliz Natal e próspero ano anovo.

 Neste convívio onde estavam expostos lindas toalhas alusivas ao Natal, pintadas por Cremilda Cardoso, que num gesto simpático ofereceu uma delas para ali ser leiloada, e os fundos reverterem a favor da Liga da Mulher Portuguesa, em Pretória, após o que todas as pessoas presentes foram convidadas a servirem-se do elegante beberete preparado, para além de sopa quentinha apetitosa para a tarde friorenta e chuvosa, uma grande variedade de iguarias, como rissóis, pastéis de nata, bolinhos de bacalhau, salgados, toda a variedade de doçaria incluindo o tradicional bolo-rei, sendo caso para felicitar Manuela Calado, todo o seu executivo e pessoas anónimas que consigo colaboraram, pela eficácia e requinto.

 Foram ali entregues ramos de flores à embaixatriz Joana de Carvalho, à conselheira da Comunidade por Pretória, Helena Rodrigues e à comendadora Manuela Rosa, esta que fez um resumo do que tem sido ao longo dos anos de existência a Liga da Mulher Portuguesa, fundada por ela com o apoio de outras senhoras que a acompanharam neste projecto, após o que historiou tradições do Natal vividas ao longo dos anos na Madeira, com destaque para o presépio, nessa região donde é natural, mais conhecido por “lapinha”, a missa do galo, e as típicas romagens natalícias.

 Na rifa ali sorteada pelas listas vendidas no decorrer do convívio, foram contemplados, com o 1º prémio, Gabriela Vieira; com o 2º Lourdes Couto, e com o 3º Maria Jardim.