Convívio da Academia-Mãe no Wanderers Club

0
76
Convívio da Academia-Mãe no Wanderers Club

Na quinta-feira, 8 de Dezembro, decorreu no restaurante SilvaSale no Wanderers Club em Illovo, o convívio semanal da Academia do Bacalhau de Joanesburgo. O repasto desta semana foi patrocinado pelo compadre Jorge Simons, delegado da representação do banco BIC na África do Sul.

 O restaurante do compadre Pedro Silva recebeu condignamente os compadres e comadres que participaram no almoço, em número superior a trinta nesta edição. Foram recebidos com moelas guisadas, mexilhões, fígados e rins guisados e ainda ameijoas à espanhola.

 A convite do anfitrião da tarde, esteve presente o cônsul-geral de Angola em Joanesburgo, Joaquim Pombo. Esteve também, pela segunda vez Fontes Pereira, levado ao convívio pela comadre Analiza Lousada.

 O repasto foi aberto com o presidente José Contente a soar o badalo e a pedir aos presentes para se cantar o brinde, “Gavião de Penacho”, cujo “tom” do dito foi dado pelo patrocinador da tarde, compadre Jorge Simos.

 Todos sentados e o presidente deu as boas-vindas a cada pessoa em torno da mesa, desejou um bom repasto e agradeceu novamente ao compadre Simons pelo apadrinha-mento do convívio semanal. 

 Para “carrasco” da tarde, a escolha recaiu sobre o compadre Pedro Silva.

 O primeiro prato foi então servido, a tradicional sopa de caldo-verde. De notar, não por culpa do restaurante SilvaSale, mas decorria uma festa no andar por baixo de onde se estava a almoçar e a vibração da música alta fazia o chão tremer. Mas, o bom humor e disposição dos compadres e comadres, levaram a que a perturbação fosse encarada com tom de brincadeira.

 Durante toda a refeição foram projectadas imagens do fotógrafo profissional, o compadre Carlos Silva, sobre o Dia de Golfe 2016 da Academia-Mãe, o que arrancou vários comentários aos presentes que se reviam nas fotografias ou outras pessoas em torno da mesa.

 Findo e levantado o primeiro prato, o presidente fez soar o badalo e deu a palavra ao compadre Simons. Na sua intervenção apresentou o cônsul-geral angolano. “Caras comadres e caros compadres, primeiro que tudo quero dizer -vos muito obrigado pela vos-sa presença aqui hoje. Hoje tenho aqui como convidado, um amigo de infância. Jo-gávamos em Angola, futebol de pés descalsos… o meu amigo Joaquim Duarte Pom-bo. Quero agradecer a sua presença e sei que dentro em breve, não será o cônsul-geral, mas sim o compadre da Academia-Mãe”, enfatizou com um sorriso o compadre Simons.

 Como celebração da presença do cônsul-geral Joaquim Pombo, o compadre Simons ofereceu um polo do Dia de Golfe da Academia. Valeu por parte de todos, uma forte salva de palmas.

 O presidente em seguida falou dos convidados do Luso Cyling, na presença de Altino Silva, o segundo em que participa e que será também compadre a breve trecho. 

 Este, levou ao almoço Paulo Mateus, que se juntou há pouco tempo ao Luso Cycling e queria, Silva, mostrar o que é a Academia-Mãe a este compatriota e seu amigo.

 O prato principal foi servido, o “fiel amigo” confeccionado assado, com batatas à murro e coberto de pimentos e cebolas. O peixe estava bem demolhado, a lascar muito bem e com o gosto próprio do bacalhau. Vários compadres, em jeito de ironia, interperalam o compadre Pedro Silva, “não sei se está bom, mas a apresentação…” e “sim senhor, o bacalhau está uma maravilha”, foram alguns dos comentários escutados em torno da mesa.

 A refeição levou o seu curso habitual, com várias conversas paralelas, gargalhadas e os compadres e levarem o seu tempo para degustarem a refeição. O prato principal foi então levantado da mesa após a sua conclusão.

 O compadre presidente José Contente soou o badalo para dar a palavra ao convidado do compadre Simons. “Boa tarde a todos os presentes, alguns já conheço. Finalmente tive a oportunidade de vir aqui e pela primeira vez, porque o Jorge Simons tem-me convidado várias vezes mas devido à minha vida profissional não tem sido possível. Também porque vou muitas vezes a Angola. Mas, é muito bom poder estar aqui a apreciar um bom prato de bacalhau, um dos alimentos que mais gosto. Vamos ver, segundo a agenda profissional permita, venha mais vezes. Quero agradecer-vos novamente pelo convívio e pela vossa recepção”, conclui o diplomata angolano.

 Em termos de intervenções, o presidente deu depois a pa-lavra a Altino da Silva. “É a minha segunda vez aqui, a todos muito obrigado. É um enorme prazer estar aqui e visto que moro a dois passos daqui, disse que tinha que estar aqui presente hoje. Trouxe também um amigo, Paulo Mateus, para que visse o que a Academia é. Quero também dizer que tenho um grande orgulho de poder vir a ser compadre”, concluiu Altino da Silva.

 Em seguida foi a vez de Paulo Mateus também intervir. “É igualmente para mim um grande prazer estar aqui, trabalho a partir de casa e faço trabalho na bolsa de valores na compra e venda de acções. Trabalhei muitos anos na parte eléctrica de grandes empresas aqui na África do Sul. Cresci em Joanesburgo, depois mudei-me para Umhlanga Rocks e mais tarde voltei para Joanesburgo. Quero também fazer parte da Academia e por isso estou aqui”, rematou Mateus. 

 Em relação aos convidados, as intervenções foram encerradas com a de Manuel Fontes Pereira. “Minhas senhoras e senhores, a todos o meu muito boa tarde”, começou for dizer. “Antes de mais gostaria de transmitir ao Adriano Leão os meus desejos das suas rápidas melhoras e a paz do Senhor. Porque ele está proibido de continuar doente”, uma afirmação que valeu de todos os compadres um forte aplauso.

 “Estou uma segunda vez na Academia do Bacalhau, fruto da exigência da minha querida Analiza Lousada. Digo querida com propósito, pois quando cheguei à África do Sul, atado pela minha condição e saúde, foi graças à Analiza que estou aqui hoje, o seu desempenho em 2004. É para mim muito gratificante estar aqui convosco ao vosso lado, por isso a todos, muito obrigado”, terminou Fontes Pereira. 

 A comadre honorária Isabel Policarpo também interveio, ao afirmar “quis estar aqui ho-je, pessoalmente, para agra-decer ao compadre Jorge Simons os patrocínios do golf day da Academia, todo o di-nheiro vai para o Lar de Santa Isabel para dar uma melhor qualidade de vida e condições aos nossos residentes. Para assinalar essa contribuição, vamos colocar no nosso Lar uma placa para lhe agradecer tudo, para reconhecer a sua bondade e tudo o que tem feito ao longo destes três anos”, rematou a comadre honorária.

 Ao comunicado da homenagem, o compadre Jorge Simons reagiu de pronto ao afirmar que “tudo que tento dar ou faço, a maior parte das vezes, nem é meu, é uma obrigação. Sou compadre desde 1978 e fui apadrinhado, no Lisboa Antiga, pelo saudoso compadre Horácio Roque e o presidente de todas as Academias, Durval Marques. Por isso, com padrinhos como estes, tudo o que faço é uma “obrigação”. Uma reacção que também foi reconhecida com uma salva de palmas.

 Foi também dada a palavra ao compadre Manuel Silva que falou nos cabazes de Natal, actividade solidária que faz há mais de vinte anos, desde 1995 e sempre debaixo da alçada da Academia-Mãe. “Quero transmitir que os cabazes foram entregues a semana passada. Entreguei também em Malvern, para além da igreja de La Rochelle. O Padre Tony ficou maravilhado e hei-de trazê-lo aqui brevemente, porque ele quer vir aqui agradecer o que a Academia faz. Este ano foram quase 15 cabazes entregues, porque as necessidades são muitas. Este ano, está feito, está resolvido e para o ano havemos de fazer novamen-te”, declarou o antigo presidente da Academia do Baca-lhau, compadre Manuel Silva. 

 Por fim, a rematar o almoço, o presidente José Contente entregou à nova membro da tertúlia Teresa Vilela, o certificado de comadre da Academia-Mãe do Bacalhau. “É com muito gosto e prazer em conhecer e fazer parte da Academia do Bacalhau de Joanesburgo. É uma grande honra fazer parte da Academia e hoje estar aqui a receber o meu certificado”, afirmou a nova comadre.

 Algumas anedotas foram contadas para gargalhadas gerais e, a palavra final do dia, foi entregue ao compadre “carrasco” Pedro Silva. “Por estarmos no Natal, uma época de dar e receber e apoiar a caridade, hoje vão todos contribuir com 50 randes e as garrafas de whiskey e Porto estão dadas”, declarou o “carrasco” a sentença, que foi ovacionada. 

 Após as sobremesas e o café com os digestivos, o almoço foi encerrado com o entoar do refrão da Marcha da Academia e com o último “Gavião de Penacho”.

 O próximo almoço, na quinta-feira, sob a presidência interina do compadre honorário João Carreira, será no mesmo local, SilvaSale no Wanderers Club.