Conjunto musical Símbolos de Esperança reuniu-se e actuou ao fim de 15 anos na Adega de Alberton

0
61
Conjunto musical Símbolos de Esperança reuniu-se e actuou ao fim de 15 anos na Adega de Alberton

Realizou-se no penúltimo sá-bado, dia 14 de Novembro, no restaurante Adega em Alberton, um jantar para celebrar o reencontro dos músicos do conjunto Símbolos de Esperança, Jorge Henriques, viola ritmo, Eduardo Santos, viola baixo, Toni Sampaio, Acordeão e orgão e Rui Policarpo na bateria, que desde 2001 não actuavam juntos. Este conjunto começou a estar em acção pela primeira vez no Clube Marítimo em 1971. Os símbolos tocaram juntos com muito sucesso durante 29 anos, até à noite do fim do ano 2000 para 2001 na Belém.

 Embora deixassem de tocar juntos, continuaram sempre amigos durante estes últimos 15 anos, dedicando-se à sua profissão e vida familiar.

 Hoje, o viola ritmo, Jorge Henriques já com 60 anos, casado e pai de duas filhas, é proprietário de uma empresa de printing digital, tendo como seu sócio o viola baixo Eduardo Santos com 62 anos, também casado com dois filhos.

 O baterista Rui Policarpo, com 60 anos, é proprietário de uma empresa de engenharia de computadores, está casado e tem duas filhas e quatro netos.

 O mais jovem deles todos é o acordeonista Toni Sampaio com 58 anos, técnico de electro domésticos, casado com duas filhas e uma neta.

 Este quarteto musical, que ganhou muita fama nas décadas 70, 80 e 90 deixaram muitas recordações para trás, e nunca imaginaram sequer virem a tocar juntos novamente. Foram meia dúzia de amigos que frequentam a Adega de Alberton que, juntamente com os seus proprietários, Victor e Sandra Fonseca, conseguiram convencer este quarteto a reunir-se uma vez mais ao fim de 15 anos, o que, segundo Victor Fonseca, foi um autêntico “milagre”.

 Foi assim que na noite do dia 14 de Novembro o quarteto abriu o jantar dançante na Adega de Alberton, na presença de 185 pessoas, com a música de Julio Iglésias, “For all the girls we’ve loved before”, recebendo uma grande salva de palmas, de pé.

 Daí para a frente foi um reportório de músicas que vi-brou a sala com recordações dos Beatles, Dean Martin, Tom Jones etc.

 Houve três surpresas nessa noite, que foram anunciadas durante os intervalos. A primeira surpresa foi o 51º ani-versário de João Caetano, que estava presente com a sua esposa Mina, sua irmã, comendadora Paula Caetano, e muitos amigos, que todos cantaram com os Símbolos de Esperança o “Parabéns a Vo-cê”

 A segunda surpresa foi a presença do casal Fernando e Otília de Jesus, que casaram há trinta anos no dia 19 de Abril de 1984, no pavilhão da Belém, e que os Símbolos de Esperança foi o conjunto musical escolhido para tocar  no casamento. Foram chamados para dançarem uma canção e relembrar velhos tempos. O casal Jesus, hoje já com um casalinho de filhos, Bruno e Tanya, agradeceu ao conjunto.

 Chegou a altura de anunciar a terceira surpresa, que o Zito e a Techa Barreto encontra-vam-se no jantar e iriam cantar com os Símbolos de Esperança, como o fizeram muitas vezes no passado.

 Zito e Techa foram nos anos 60 e 70 as vozes de ouro, tan-to em Moçambique como na África do Sul. Foram escolhidos para Rei e Rainha da Rádio Paralelo 27, em 1976. Os dois, um pouco mais velhos de aparência física, mas com a mesma voz de ouro, surpreenderam muitos que tiveram a oportunidade de os ouvir.

 O proprietário do restaurante Adega de Alberton, agradeceu em seu nome e de sua mulher Sandra a presença de todos naquela noite, em especial da comendadora Paula Caetano, presidente do Conselho de Administração do Grupo Sé-culo, e do director-geral do Grupo Adegas, Luis Ferreira.

 Continuou por agradecer à sua gerência, Bernardo Pinto, Bruno Pinto, Fernando Ferreira e Gabriel Monteiro da cozinha, pela dedicação que mostraram em organizar esta festa da reunião dos Símbolos de Esperança. Victor e Sandra Fonseca ofereceram um ramo de flores à Techa e um presente ao Zito pela sua colaboração.

 Por fim agradeceu ao conjunto, oferecendo-lhe uma lembrança pelo seu contributo, nesta festa em que foram an-gariados R10.000-00, patrocínio da Adega de Alberton, Grupo Adegas e Símbolos de Esperança, que irão  ser entregues à instituição de crianças abandonadas “Door of Hope” em Glenanda.

 É a intenção dos proprietários da Adega de Alberton, Victor e Sandra Fonseca, realizar no futuro mais festas beneméritas para ajudar os mais necessitados.