Comunidade portuguesa voltou a revelar em Pretória o seu espírito de solidariedade

0
41
Comunidade portuguesa voltou a revelar em Pretória o seu espírito de solidariedade

Patrocinado pelo comenda-dor Ivo de Sousa, teve lugar na tarde da passada quinta-feira, 23 de Março, no New Market Restaurant de José Dias Roda, um almoço de convívio, com a receita nele angariada destinada a tratamentos clínicos da compatriota Cesária Teixeira, uma senhora bem conhecida e respeitada na comunidade, dado o seu envolvimento no meio associativo, muito especialmente na Casa Social da Madeira, onde em muitos anos foi componente do rancho folclórico desta colectividade, para além da ajuda nos serviços de cozinha em várias festas realizadas na igreja de Santa Maria dos Portugueses, em Pretória West, onde sempre que se envolvia irradiava alegria e boa disposição, disso sendo visível o seu relacionamento com os paroquianos, agora infelizmente a contas com a grave doença que a atingiu, de que a avaliar pelos inúmeros casos que nesse aspecto se vão detectando, ninguém estar livre de poder vir a enfrentar.

 No convívio em que participaram mais de 40 pessoas, entre as quais e além do patrocinador, Ivo de Sousa, o presidente da Confraria do Santíssimo Sacramento, da igreja de Santa Maria dos Portugueses, António Correia de Freitas, este que em nome da Confraria que lidera e de um anónimo, ali entregou o donativo de dez mil randes, o oficial da Polícia sul-africana bem conhecido dos portugueses, com quem regularmente é visto a conviver, Mr. Malema, e o presidente do clube português de Klerksdorp, Jo-sé Achadinha, foi guardado um minuto de silêncio à memória dos irmãos João e José de Abreu, assassinados dias antes no seu estabelecimento comercial desta mesma cida-de de Pretória, acturam os ar-tistas da comunidade, António Ferreira à guitarra e Carlos Almeida, ambos de Joanes-burgo, e Damião de Freitas, de Pretória, este que também cedeu a aparelhagem sonora ali utilizada naquela tarde.

 Nas palavras que no decorrer da confraternização ali dirigiu, como referiu a favor de uma boa causa humanitária, o comendador Ivo de Sousa, ao agradecer a todos a sua presença no almoço, destacou em particular o proprietário do restaurante onde se convivia, José Dias Roda, pela sua pronta disponibilidade em se associar ao convívio, a par de preparar a refeição que do agrado geral todos saborearam, com palavras de apreço aos artistas que ali actuaram, não esquecendo por outro lado, além dos donativos referidos, outros de pessoas convidadas para este almoço, e por motivos antes assumidos, não lhes ser possível ali marcar presença, casos da presidente dos Lusíadas, Paula de Castro, Manuel José, David Pestana, Daniel do grupo Woodmead, além de um outro anónimo, daí ser possível entre esses gestos, a colecta voluntária pelas mesas após a refeição, o leilão de determinado artigo oferecido com es-sa finalidade, que a juntar aos três mil randes oferecidos por Paulo Mariano, de Joanesburgo, e já depois disso um outro anónimo com dez mil randes, conseguir no total, a quantia de R90.000.00.

 Ao receber do comendador Ivo de Sousa todo esse dinheiro, o marido da enferma, Manuel Teixeira, algo sensibilizado com o gesto e o montante ali conseguido, agradeceu muito reconhecido em seu nome pessoal e de toda a sua família, a iniciativa do or-ganizador deste convívio, bem como a generosidade dos que nele participaram, para todos com alguma emoção endereçou o seu simples mas de grande significado como é o “bem hajam”, quando levado pelo coração é proferido com toda a convicção, como ali vimos ser esse o sentimento.

 No final do convívio ainda ali se pronunciou o comerciante Vicente Ferreira, para na sua intervenção anunciar a chegada à África do Sul, a 14 de Abril corrente, de alguém para em Pretória, Joanesburgo, Cape Town, e possivelmente outras localidades deste país, auscultar os lesados do Banif, a fim de por intermédio de uma credenciada associação de advogados poderem ser ajudados a recuperar o dinheiro investido naquela instituição bancária, e pelos vistos cada vez mais difícil de reaver, disso na devida altura prometendo anunciar no jornal “O Século de Joanesburgo”, a fim de todos os que ali investiram poderem ter de volta esse seu dinheiro.