Comunidade portuguesa tem sido sempre muito activa no Mercado de Pretória

0
150
Comunidade portuguesa

Comunidade portuguesaNascendo praticamente com a cidade, mas por ser considerado na ocasião inconveniente a sua continuidade no centro da cidade, mais propriamente onde hoje se situam o Stridjom Square, o State Theatre e o VBolkskas Building, o (Pretoria National Produce Market foi em 30 de Setembro de 1964 transferido para local na altura afastado da área residencial.

Mas hoje praticamente ligado à cidade, confinando com Pretoria West e o “Asian Bazar” de Marabastade, onde consoante as necessidades com que ia deparando, a edilidade citadina foi substancialmente alargando as instalações por fases inauguradas em 1974, 1982, 1996, e a última das quais a 26 de Janeiro de 2006, unidade on-de presentemente operam o Meat 2 Oceans Market e o Evergreens the fresh Market, ocupando hoje no seu total uma área coberta estimada em mais de setenta mil metros quadrados, servida por quinze terminais para cargas e descargas, que o classificam como terceiro do país, logo a seguir ao de Joanesburgo e Cape Town.

 Funcionando de segunda a sexta-feira das seis horas da manhã até perto do meio-dia, embora a maior parte da clientela seja, como é lógico de Pretória e áreas limítrofes, vão ali abastecer-se grande parte de comerciantes de outras zonas, como, Centurion, Cullinan, Britz, Warm Baths hoje Bela-Bela, Ermelo, Nylstroom, Bronk-horstspruit, Witbank, Tzaneen, Restenburg, Secunda, Bethal, Valvater, Nelspruit, Potgietersrus, Louis Trichard, Middelburg, Belfast, Waterval Boven, Lyndenburg, Pietersburg hoje Polokwane, Piet Rieteef, Phalaborwa, etc.
 Tendo presentemente como director geral Japhta Magolela, que em Abril de 2010 sucedeu no cargo a Cristo Groenewald, sendo principais agentes de vendas o Noordvaal, o Protea, Subtropico, Dup & Wol, Supafruit, Echo Berry, Farmers Trust, Muirhead Trust Bananas, Patensie, RSA Patatoes & Onions, Agrivan, Prinsloo & Venter, Boere Trust, Minaar Boerdery e Limpopo Brakspruit, este Mercado Municipal de Pretória é abastecido diariamente por agricultores dos mais diversos pontos das províncias de Gauteng, Natal, Cabo e Free State.

 Em fruta transportada em camiões frigoríficos apropriados, a maior percentagem de pêra, pêssego e maçã vem do Cabo, Langloof e Free State, assim como a uva, de Boland, Stelenbosch, Paarl, North Gauteng, Nylstroom, Potgietersrus, Naboomspruit, Kakamas e Keimoes, cabendo ao Natal o fornecimento da maior quantidade de banana e ananás.
 Tal como a fruta, também os vegetais, especialmente a batata, um produto de bastante consumo, tem a sua época de cultivo consoante a variação de temperatura de cada região, motivo porque de Fevereiro a Maio a maior porção é proveniente do Gauteng e East Free State, de Maio a Agosto do Western Free State, e de Agosto a Ja-neiro do Northern Gauteng.

De entre as firmas ou estabelecimentos de compatriotas nossos que operam neste mercado em maior ou menor escala, há a destacar o Modern Packaging, fornecedor de material plástico de empacotamento para cafés, talhos, restaurantes e supermercados, bem como de embalagens agrícolas, empresa formada em sociedade liderada por João Serradinho, oriundo do Arco da Calheta, da Ilha da Madeira; Evergreens the fresh market, para venda de toda a espécie de fruta e vegetais, com padaria, confeitaria e “take away”, além de secção de seleccionados vinhos e espumantes, de que são proprietários os irmãos John, James e Jerome Pereira, de descendência madeirense; Meat 2 Oceans Market, de Ezídio Câmara e seu cunhado Steven Quinn, com talho, peixaria com toda a qualidade de marisco, mercearia, confeitaria e uma secção de “take away” para fornecimento de comidas rápidas;

 Big Save Market, com bottle store e Wholesalers em refrigerantes, farinhas, mercearia, doçaria, condimentos, óleos, biscoitos e outros produtos alimentares, de que são proprietários Tony Ferreira, em sociedade com seu sogro João Jardim, e seus cunhados Johnny e Luís Jardim, de ascendência madeirense; New Market Res-taurante, de José Manuel Dias Roda, para fornecimento de refeições à me-sa, e “take away” de comidas rápidas, procedente da  Ilha  da  Madeira,  com passagem pela Venezuela;
Market Restaurante e Take Away dos irmãos Eleutério e Aníbal de Abreu, de ascendência madeirense; Rose Bowl, para flores e decorações, de Salomé e sua filha Ana Maria Rebelo; e Daily Fresh Supliers de Rui Longueira.

 Só quem frequenta o Mercado, todos os dias abarrotado de fruta e vegetais de toda a ordem, se apercebe da enorme riqueza do solo sul-africano, na verdade uma das grandes fontes de receita do país, e da participação activa de compatriotas nossos ali a operarem nos mais variados ramos de actividade, ou outros que assiduamen-te ali se deslocam para se abastecerem de produtos destinados aos seus esta-belecimentos, todos contribuindo grandemente para o desenvolvimento deste importante país de acolhimento

 É impressionante o movimento diário deste Tshwane Market, ali se deslocando agricultores e comerciantes das mais diferentes zonas e nacionalidades, onde se destaca a portuguesa, sobressaindo nesta a oriunda da Região Autónoma da Madeira, ligada na África do Sul ao mais variado negócio de fruta e vegetais, que na vinda à capital deste país aproveita para na passagem por este mercado cumprimentar o seu conterrâneo, inteirando-se de algumas novidades, cavaquear com ele um pouco sobre determinados aspectos, e relembrar por vezes tempos de infância passados na terra natal, onde de uma maneira geral todos desejam um dia voltar.