Comunidade Portuguesa na África do Sul em isolamento contra o coronavírus

0
32

A Comunidade portuguesa na África do Sul está em isolamento social e a implementar as medidas de prevenção anunciadas pelo Governo sul-africano.

O nosso semanário, Século de Joanesburgo, contactou esta semana com dirigentes e membros das associações lusas no país, a começar pela União Portuguesa, que cancelou as comemorações do seu 59º aniversário.

O presidente José Contente informou que “no cumprimento do estabelecido pelo Presidente Ramaphosa para combater o coronavírus, solidarizamo-nos e implementamos as medidas aconselhadas, cancelamos por isso a celebração do 59º aniversário da União Portuguesa bem como a projectada apresentação da equipa sénior de futebol para data a anunciar oportunamente”.

Já a Academia da Ferrugem, segundo nos informou Rogério Nascimento, cancelou o almoço mensal de 4 de Abril, bem como a celebração do aniversário da tertúlia marcada para o dia 18 do mesmo mês.

O Núcleo de Arte e Cultura também decidiu encerrar as actividades da escola de idiomas, do centro de dia “Coração de Maria”, do grupo de motards, assim como os ensaios do rancho Troyeville/NAC e os treinos da equipa de hóquei em patins.

O dirigente Joaquim Coimbra adiantou que as actividades do Nucleo de Arte estão previstas para recomeçarem depois da Páscoa.

No Luso África, o clube também não fugiu à regra e encerrou portas. O presidente desta colectividade, Joaquim Melo, disse que o centro de dia “Santo André Avelino” enviou para casa todos os utentes e que não está em funcionamento.

As actividades do 1º Agrupamento de Escuteiros de S. Jorge, o rancho folclórico Terras do Norte, o ciclismo LusoCycling e do clube de futebol, assim como dos motards, foram canceladas.

Nestes clubes, a única actividade em funcionamento é o restaurante com capacidade para 50 pessoas, e a venda de bebidas alcoólicas está limitada até às 18:00, segundo as novas medidas anunciadas pelo governo sul-africano.

No entanto, os restaurantes podem operar até cerca das 22 horas.

Em Pretória, o presidente da Casa do Benfica, José Brunido, disse ao Século que a Casa do Benfica de Pretória e a Casa Social da Madeira de Pretória estão encerradas com todos os eventos cancelados até data a anunciar.

“Nenhuma vida tem preço”, declarou José Brunido por telefone à nossa reportagem.

“Não podemos colocar em risco os nossos amigos, associados e empregados”, adiantou, sublinhando o prejuízo financeiro para a colectividade “mas isso recupera-se, vidas é que não”.

“Por isso, melhor do que remediar é prevenir e estamos, até ver, encerrados”, salientou.

A ACP de Pretória mantém os almoços na colectividade até deliberação contrária, tendo em conta as restrições impostas pelo governo sul-africano.

Na Cidade do Cabo, Carlos Aguiar, membro da Associação Portuguesa de Cape Town, disse que a colectividade está “completamente encerrada”.

Aguiar adiantou que “o bar está obrigatoriamente encerrado pelas autoridades locais”.

Em Durban, a Associação Portuguesa do KwaZulu-Natal (APKZN) também se encontra encerrada desde 21 de Março, segundo o delegado do jornal, João de Gouveia. O clube poderá reabrir portas a 4 de Abril, caso a situação o justifique.

As Igrejas portuguesas na África do Sul continuam de portas abertas, pese embora com as restrições anunciadas pelo Ministério da Saúde e as recomendações de higiene e saúde do Vaticano e da Diocese de Joanesburgo.

“A Igreja de Santa Maria dos Portugueses, em Pretória West, permanece aberta com um limite de 100 fiéis por eucaristia, a uma distância de metro e meio entre si, e sem comunhão da hóstia, troca do Sinal da Paz e sem água benta nas pias da Igreja”, disse o Frei Gilberto Teixeira.

Medidas idênticas foram também adoptadas na Igreja de St. Patrick´s em La Rochelle, sul de Joanesburgo.

O Século contactou ainda os proprietários dos supermercados e peixarias portugueses, Rio Douro e Mediterrâneo, que informaram que vão continuar “abertos e abastecidos em preparação para a Páscoa”.

Todavia, haverá o número de pessoas dentro das lojas será limitado em cada momento, no sentido de reforçar a prevenção contra o coronavírus.