Comissão Eleitoral Independente da África do Sul garante eleições transparentes e seguras a 8 de Maio

0
105

de eleitores registados na África do Sul a irem às urnas na próxima quarta-feira, 8 de Maio, tendo instalado para o efeito 22.000 mesas de voto.

 A garantia e apelo foram feitos pelo presidente do IEC, Glen Mashinini, na apresentação do Centro Nacional de Operações de Resultados (ROC), em Pretória.

 Mashinini sublinhou que “todos os sistemas estão aptos para o dia 8 de Maio”.

 “A credibilidade do nosso processo eleitoral também é garantida através de uma variedade de mecanismos de verificação em cada etapa do processo”, salientou.

 O responsável eleitoral adiantou que “a inclusão e transparência do sistema de contagem de resultados fornece a todas as partes interessadas a confiança necessária de que os resultados não podem ser manipulados fraudulentamente”.

 “Os sul-africanos têm o dever patriótico de proteger e defender as eleições e a democracia para as gerações futuras”, declarou Glen Mashinini, instando os organizadores e participantes em manifestações cívicas a respeitarem o processo eleitoral.

 “O direito de protesto de manifestação é um direito protegido na nossa Constituição e tem as suas raízes na nossa democracia e na realização de eleições pacíficas”, afirmou.

 Por seu lado, o CEO do IEC, Sy Mamabolo, disse que o dia das eleições será o culminar de dois anos de preparação, planeamento e treino, e que agora “cabe aos eleitores votar”.

 O IEC recrutou 189.000 voluntários para a contagem dos votos, afirmou.

 “Em articulação com as várias instituições de segurança do Estado, incluindo a Polícia, implementámos medidas de segurança em cada estação de voto e infraestrutura crítica”, salientou.

 O IEC imprimiu e distribuiu 60 milhões de boletins de voto nacional e provincial e colocou mais de 300.000 urnas e 45.000 cubículos eleitorais.

 Segundo o IEC, no penúltimo sábado votaram 29.000 expatriados sul-africanos e membros da Força de Defesa Nacional da África do Sul em várias missões diplomáticas no estrangeiro.

 Hoje e amanhã, terça-feira, 770.000 eleitores com necessidades especiais votarão em casa e nos vários locais de votação criados pelo IEC para o efeito.

 

* África do Sul garante realização de eleições em condições de segurança

 

 

 

 

O vice-ministro das Relações Internacionais e Cooperação Luwellyn Landers assegurou aos membros da missão de observação eleitoral da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que a África do Sul não possui zonas interditas “nogo”.

 A garantia surge na sequência de notícias na comunicação social segundo as quais alguns membros da missão de observação da SADC temiam pela sua segurança pessoal na África do Sul.

 “Como governo e povo, estamos totalmente comprometidos com a paz, segurança e o desenvolvimento do nosso continente”, declarou o vice-ministro.

 Landers recebeu na semana passada a delegação da SADC SEOM, que se encontra na África do Sul para observar as eleições gerais sul-africanas agendadas para a próxima quarta-feira, dia 8 de Maio.

 A delegação é liderada por Joseph Malanji, ministro dos Negócios Estrangeiros da Zâmbia e chefe do SEOM da SADC na África do Sul.

 “Todos na África do Sul entendem que as pessoas são livres de viverem em qualquer lugar. Podemos garantir que todos os que estão no nosso país seja para que projecto fôr, nada de desagradável lhes acontecerá. O que testemunhámos há algumas semanas nalguns bairros foi puramente de natureza criminal”, adiantou o vice-ministro.