Comemoração do Dia de Portugal em Pretória

0
51
Comemoração do Dia de Portugal em Pretória

As celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, na cidade de Pretória, voltaram a ser iniciadas com uma missa celebrada por Frei Gilberto Teixeira na igreja de Santa Maria, sufragando a alma de todos os portugueses falecidos na República da África do Sul, seguida de duas romagens para colocação de flores, uma ao cemitério de Zandfontein para na campa de Alberto Fernando Ferreira de Sousa lembrar com saudade a memória de todos os compatriotas que ali repousam, e a outra ao monumento evocativo a Bartolomeu Dias, em Arcádia Park, onde junto a este padrão alusivo aos descobrimentos usou da palavra o secretário da embaixada, dr. Pedro de Almeida, para depois de saudar e agradecer a presença dos que consigo ali se deslocaram, referir:

  O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, como é designado, é celebrado a 10 de Junho por ser a data em que morreu o poeta, como aqui vemos, e bem, os primeiros quatro versos dos Lusíadas neste monumento, e também o dia das comunidades portuguesas, em que Portugal reconhece a importância das suas comunidades dispersas por todo o mundo, estimadas num terço da população a viver fora do seu país.
  Deixem-me neste dia começar, como sempre o tenho feito, por vos dar os parabéns pela vida desta comunidade, pela maneira como os portugueses aqui conseguiram singrar na vida e conquistar o seu lugar entre a sociedade sul-africana, e por outro lado desejar-vos que continuem por muito anos a comemorar o 10 de Junho, se possível com todos os vossos filhos e os vossos netos.
  Para isso é importante que os vossos filhos e os vossos netos continuem conscientes das suas origens, que é a origem portuguesa, e conscientes de que há uma cultura, de que há uma língua e de que há uma história, que é de todos aqueles que vieram antes deles,
  O que vos peço é de que na comunidade de que são líderes, que se esforcem para que os jovens aprendam português, para que saibam o que é ser português, para que nutram um carinho especial por esta pátria que está lá longe, mas também é deles, assim como é vossa, a todos desejando um feliz Dia de Portugal, e que continuem a celebrá-lo por muitos e muitos anos.

  Foi então entoado por todos os presentes o Hino Nacional Português, e por último oferecido por Manuel Furriel nessa friorenta manhã, um vinho do Porto, dali se se-guindo para a Associação da Comunidade Portuguesa de Pretória, onde foram finalizadas as celebrações programadas para este dia.
  Nesta ACPP, foram disputados durante a manhã três jogos de futebol, o primeiro entre um misto masculino-feminino, em que o PIE St. Bishops venceu o PIE Cardinals por 3-1; o segundo com a vitória da ACPP por 3-1 sobre o Marítimo em veteranos; e o terceiro na categoria de seniores em que o PIE Angels triunfou sobre a ACPP por 3-1, após o que em acto contínuo foram pelo presidente da assembleia-geral desta ACPP, Manuel José, e o organizador do torneio, Luís Martins, entregues as medalhas aos atletas participantes, e troféus aos capitães das equipas vencedoras.
 As comemorações prosseguiram depois no salão nobre desta mesma colectividade com um almoço de convívio servido a mais de quatrocentas pessoas, entre as quais e pela embaixada, a encarregada de negócios de Portugal na África do Sul, dra. Gabriela Soares de Albergaria, o secretário dr. Pedro de Almeida que desde Março último colocado em Timor, aqui se deslocou para depois de alguns dias de férias levar a família para junto de si; o coordenador do ensino de português, dr. Rui Azevedo, o dr. João Pedro Pereira do AICEP, e o adido social dr. Gonçalo Capitão, Frei Gilberto Teixeira da igreja de Santa Maria, o comendador Estevão Rosa, e a nível de presidentes de clubes e instituições lusas desta mesma cidade, a comendadora Manuela Rosa da Liga da Mulher Portuguesa; Paula de Castro de “Os Lusíadas”, e Manuel Furriel do Marítimo, além de Manuel Lucas do clube português de Klerksdorp, e José Ferreira da Federação do Folclore “Raízes do Nosso Povo”.
  De seguida foram por PS Reddy, presidente do Pretoria Golf Club, e os patrocinadores dos prémios do torneio de golfe disputado sexta-feira anterior, intitulado “Dias de Portugal” numa organização conjunta, tal como neste 10 de Junho, entre a ACPP e “Os Lusíadas”, do qual saiu vencedor José Gonçalves, classificando-se em segundo lugar Tony Oliveira, e na terceira posição Dany Duane, após o que actuaram os jovens artistas da nossa comunidade, Leandro Coimbra, Filipa Carmo e Roberto Adão.
  Ao dar as boas vindas e agradecer a presença dos que nessa tarde enchiam o salão, com destaque para as entidades oficiais, o presidente da ACP de Pretória, Mário Ferreira, que em todas as cerimónias fez sempre questão de ter a seu lado a presidente de “Os Lusíadas”, Paula de Castro, viria a referir-se ao significado do quanto para si representa o Dia de Portugal, com referências ao valor dos nossos jovens, à importância das nossas colectividades onde cada vez se torna mais difícil a organização de festas, e devido às elevadas despesas é por vezes quase preciso andar de joelhos a pedir colaboração para as poder realizar, lembrar compatriotas que
 ajudaram a desenvolver a África do Sul, englobando aqui o falecido Alberto de Sousa, horas antes recordado na romagem feita ao cemitério de Zandfontein, terminando a sua intervenção com agradecimentos aos artistas que ali acturam, atletas que participaram nessa manhã desportiva, colaboração que tivera tanto para o torneio de golfe, como neste 10 de Junho, entre as quais o Meat 2 Oceans Market, Tony’s Liquor, Paulo Pereira, dr. João Pedro Pereira, Fernando Gaspar, Abílio Inácio, Tony Oliveira, Carlos Calado, o TMM e o ESS de que é um dos directores, os mestre-de-cerimónias, Carlos Calado e a jovem Micaela dos Santos para a apresentação dos artistas que ali actuaram, o encarregado da equipa de cozinha desta agremiação An-dy, que para além da confecção do almoço ajudara na decoração das mesas, e por último o dedicado grupo de senhoras da comissão de festas liderada por Ibraim dos Santos, que prepararam e enfeitaram de bom gosto o salão para a gala deste dia.
  Convidada a algumas palavras, a encarregada de negócios de Portugal, na África do Sul, dra. Gabriela Soares de Albergaria, depois de a todos saudar com carinho e amizade, de maneira especial os presidentes da ACPP, Mário Ferreira, e a de “Os Lusíadas”, Paula de Castro, que chamaram a si os festejos do Dia de Portugal na cidade de Pretória, viria a afirmar:

  “Hoje é importante no dia em que celebramos a nossa identidade, a nossa cultura e a nossa língua, dirigir-vos umas palavras sobre o que considero ser aquilo que fomos, o que somos e aquilo que pretendemos ser.
  É da força, da coragem e da determinação da alma portuguesa que vos quero falar, porque foi essa força, essa coragem e essa determinação que levou os nossos ante-passados a lançarem-se na empreitada dos descobrimentos, porque foi, e foi essa força, essa coragem e essa determinação que trouxe muitos de vós aqui para a África do Sul, levando muitos que começando praticamente do nada a construir uma vida de sucesso e prosperidade.
  Foi essa força, essa coragem e essa determinação que nos tornou hoje um povo de quinze milhões de habitantes separados pelas sete partidas do mundo, divididos entre os cinco continentes deste planeta, mas que partilhamos uma mesma identidade, que leva a que os dez milhões de portugueses que neste momento continuam a residir em Portugal, se mantenham unidos em torno da confiança e da esperança com que saberão ultrapassar as dificuldades que neste momento enfrentam;
  Porque é essa força, essa coragem e essa determinação que nos leva a continuar a apostar na aquisição de produtos portugueses, onde as exportações muito têm contri-buído para alívio da nossa situação económica;
  Porque é essa força, essa coragem e determinação que leva por exemplo a que centenas de luso-descendentes sejam escolhidos nas escolas que frequentam como exemplo em liderança e de mérito, jovens a que ontem tive a oportunidade de entregar os seus diplomas de liderança, e lembrar-lhes o orgulho que temos pelo facto de sabermos que há quem veja no seu exemplo, nas suas atitudes e no seu comportamento, actos que inspiram o querer ser mais, desejar mais e ambicionar mais;

  É essa força, essa coragem e essa determinação que por exemplo vimos ontem nos jogadores da nossa selec-ção, e não obstante termos perdido, jogamos com garra e com firmeza, mesmo estando a jogar contra a poderosa selecção da Alemanha, e no fundo aquela que constitui a nossa identidade, aquela quer nos tem ajudado a conse-guir os nossos novecentos anos de história.
  Celebramos hoje a nossa língua, a língua de poetas que dizem por exemplo coisas como esta “tudo vale a pena se a alma não é pequena”, a língua com que vos fale agora, e a língua que gostaria que continuassem a transmitir aos vossos filhos;
  Celebramos também a nossa cultura, aquela que vemos representada pelos nossos ranchos folclóricos, na maneira como cantam e as dançam, assim como na comida que hoje aqui saboreamos, ou no fado que vimos entoar, meus amigos isto é que é Portugal;
  Portugal não é apenas aquele rectângulo situado na zona mais ocidental da Europa, Portugal somos nós que continuamos a reunir hoje aqui, e todos anos continuamente, com mais ou menos gente, mas sempre com a mesma força, com a mesma identidade”, terminando a sua intervenção com um “Viva Portugal”.

  Depois do sorteio da rifa anual, em que foram contemplados, com o 1º prémio, um laptop (Toshiba), Mário Ferreira com o número 0302; com o 2º prémio, duas viagens a Durban, José Manuel Dias Roda com o número 1493; com o 3º prémio, uma caixa de whisky Bell’s, Ivo de Sousa com o número 2357; com o 4º prémio, um printer (Inkjet), Anacleto Guiomar com o número 2291; e com o 5º prémio, uma garrafa de whisky Johnny Walker black label, o número 0220, a comemoração foi encerrada como que com chave de ouro, com o grande “show” pelo famoso artista português de craveira internacional, Fernando Pereira, o qual fez vibrar em certos números do seu reportório o numeroso público que a ele assistiu.
  Imitando a voz de credenciados artistas portugueses e estrangeiros, referiu ser com muito orgulho que com os compatriotas de Pretória comemorava na ACPP este Dia de Portugal, depois da sua actuação em 1990, em Joanesburgo, que recorda com algum ressentimento, dado ainda hoje estar à espera de quem o contratou lhe pague o “cachet” acordado, referindo como responsável certo artista da nossa comunidade, daquela mesma cidade, de quem publicamente referiu o seu nome, uma das teses que Fernando Pereira abordou, foi a educação que os pais devem dar a seus filhos, os nossos futuros líderes, ensinando-os essencialmente a falar português e incutindo-lhes a ligação às origens, pois como já Fernando Pes-soa dizia, “a minha pátria é a língua portuguesa”, despedindo-se com o hino nacional português acompanhado em coro pelo público que de pé o aplaudia.