Cavaco Silva pede que valores celebrados no Natal se prolonguem pelo ano inteiro

0
98
Cavaco

O Presidente da República pediu na sexta-feira aos portugueses que vão mais longe na celebração do Natal e tornem permanentes valores como a concórdia e a solidariedade, dando especial atenção “aos mais frágeis e vulneráveis” o ano inteiro.

  Na tradicional mensagem de Boas Festas do Presidente da República, Cavaco Silva, e da mulher, Maria Cavaco Silva, o chefe de Estado sublinha que “o Natal é um tempo que convoca a união das famílias e amigos” mas pede que se vá “mais longe na sua celebração”.

  “Queremos que a paz esteja com os homens não só agora. Queremos que o esforço de concórdia entre os Povos seja permanente. Queremos que a solidariedade e a partilha sejam mais fortes nesta época do ano, mas que permaneçam activas ao longo do tempo”, pede Cavaco Silva.

  Na mensagem, gravada na Sala das Bicas, no Palácio de Belém, o Presidente apela a que estes valores durem o ano inteiro.

  “Queremos pensar nos mais frágeis e vulneráveis: as crianças, os desempregados, os mais velhos. Mas devemos fazê-lo também o ano inteiro, refere

Maria Cavaco Silva chama a atenção para aqueles que estão afastados dos que mais amam e dos que trabalham na época do Natal, “tantos voluntariamente, para dar conforto e calor humano aos que dele precisam”, manifestando a todos eles “apreço e gratidão”.

 O Presidente da República deixa ainda uma palavra para os emigrantes portugueses, que “por muito longe que es-tejam, têm sempre os seus e o seu País no coração”.

 “A todos queremos deixar uma palavra amiga, de coragem e de esperança, confiantes de que saberão vencer as dificuldades. Desejamos a todos os Portugueses um Feliz Natal e um Ano de 2015 com saúde e mais prosperidade”, termina Cavaco Silva, na mensagem gravada junto à árvore de Natal no Palácio de Belém.

 

* Cavaco recebe cumprimentos de boas festas dos representantes do parlamento

 

 O Presidente da República fez na quarta-feira votos de feliz Natal e um bom ano de 2015, com "um pouco mais de prosperidade", na tradicional troca de cumprimentos de Boas Festas com os representantes da Assembleia da República.

 "Neste tempo quero renovar à senhora presidente da Assembleia, aos senhores deputados que representam todos os partidos da Assembleia da República e às vossas famílias, votos de um feliz Natal, um bom ano de 2015, com saúde, mas também que nos traga um pouco mais de prosperidade", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, numa breve intervenção na cerimónia de apresentação de cumprimentos de Boas Festas da Assembleia da República, que decorreu no Palácio de Belém.

 Lembrando que a esta é a última sessão legislatura de uma legislatura "exigente, difícil, politicamente intensa", que não será facilmente esquecida e durante a qual "às vezes os debates atingiram temperaturas bastante elevadas", Cavaco Silva deixou ainda votos para que no parlamento os partidos, "com diferentes visões da nossa sociedade possam manter diálogo cordial, frutuoso, procurando dar res-posta às aspirações dos cidadãos portugueses".

 "Esta época é uma época em que normalmente exaltamos valores elevados da nossa so-ciedade, a partilha, a paz, a concórdia, a esperança e considero muito positivo que esse espírito esteja presente nos agentes políticos, nas instituições", referiu, assinalando igualmente que em 2015 se irá assinalar os 40 anos das primeiras eleições "verdadeiramente livres e universais em Portugal".

 Antes da intervenção do chefe de Estado, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, fez também alusão ao facto da cerimónia coincidir com o último ano da legislatura neste "tempo difícil".

 "Foi difícil, mas estivémos com a responsabilidade de construir este tempo e, nesse sentido, podemos também dizer que foi também um privilégio que nos deu uma consciência de realização como seres humanos na relação com os outros, porque é aí que toda a realização se situa", sublinhou.

 Com "alguma emoção", Assunção Esteves fez ainda referência à colaboração que o Parlamento manteve com o Presidente da República ao longo dos últimos quatro anos.

 "É uma espécie de fim de ano e de fim de quatro anos", vincou.

 Já no final da cerimónia, que contou com a presença de todos os elementos da mesa da Assembleia da República e com os líderes dos grupos parlamentares, Cavaco Silva manteve ainda alguns minutos de conversa mais informal com a presidente da Assembleia da República, falando sobre o trabalho intenso do Parlamento e do "stress decisório" que se vive em alguns momentos.