Caos nas portagens do Algarve afasta turistas espanhóis

0
89
Caos nas portagens do Algarve afasta turistas espanhóis

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) disse temer que a situação registada na Ponte do Guadiana na Páscoa se repita no Verão, provocando a dispersão de turistas espanhóis.

 Antevendo uma maior afluência de espanhóis ao Algarve no período de Páscoa, a Estradas de Portugal e a Via Verde colocaram funcionários na Ponte do Guadiana para ajudar na compra de títulos que permitem viajar na Via do Infante (A22).
 Mesmo assim, formaram-se filas de grande dimensão na fronteira entre o Algarve e a Andaluzia, com os espanhóis a queixarem-se da complexidade do sistema de pagamento de portagens na A22, que liga Vila Real de Santo António a Lagos.
"Arriscamo-nos a que aquilo que aconteceu episodicamente num fim de semana de Páscoa se repita no próximo Verão, o que seria caótico", disse Macário Correia (PSD), lembrando que este vai ser o primeiro Verão com portagens na A22.
 Segundo o presidente da Câmara de Faro, criar obstáculos à entrada de espanhóis no Verão "é a melhor maneira de mandar as pessoas embora", pois quem espera em filas e não vê o problema resolvido "fica com pouca vontade de voltar".
 "Nós em vez de estarmos de braços abertos a acolher pessoas de forma rápida, estamos a criar obstáculos para que não entrem no Algarve", lamenta, sugerindo que o ideal seria que os visitantes espanhóis "não pagassem".
 Contudo, sublinha, "se é impossível de os isentar", o Governo e a Estradas de Portugal devem criar um mecanismo que seja fiável e rápido, já que esta imagem "não se pode repetir", dado que "as fronteiras na Europa caíram em desuso".

* Estradas de Portugal quer reforçar pagamento de portagens na Internet

A Estradas de Portugal (EP) anunciou a intenção de informar os estrangeiros que queiram ir a Portugal de que podem pagar na Internet as portagens das ex-SCUT, mas vai também colocar mais máquinas de pagamento nas fronteiras.
 O director de Relações Públicas, Mário Fernandes, reconheceu que a empresa quer evitar, no futuro, filas idênticas às que se formaram na quarta e na quinta-feira da Semana Santa na antiga fronteira do Algarve para pagar portagens na ex-SCUT (estrada Sem Custos para o Utilizador) A22 (Via do Infante), que liga Vila Real de Santo António a Lagos.
 “Temos que reforçar a mensagem de que o pagamento pode ser feito comodamente em casa, antes da viagem”, disse, sublinhando que o pagamento no único terminal agora existente na antiga fronteira “nunca pretendeu ser uma solução, mas apenas um último recurso para mais os incautos”.
 Mesmo assim, para evitar filas, a empresa quer instalar outra máquina nas praças da fronteira de Vila Real de Santo António (A22) e Vilar Formoso (A25), disse a mesma fonte, sublinhando que Cerveira (A28) não tem movimento que justifique um novo terminal.
 Por outro lado, a empresa já adquiriu vários terminais de pagamento automático (TPA), dedicados em exclusivo ao custeamento de portagens, que pretende instalar em zonas ainda a determinar, nomeadamente áreas de serviço.
 Segundo Mário Fernandes, a EP pondera mesmo a instalação de máquinas TPA em Espanha, sobretudo em zonas que antecedem as fronteiras.
 O director de Relações Públicas reforçou que esta solução se destina apenas a veículos de matrícula estrangeira e aconselhou os cidadãos com carros de matrícula portuguesa, mesmo que residam no estrangeiro, a pagar as viagens, a posteriori, num dos 900 postos de correios (CTT) do país ou numa loja pay-shop.
 A EP pondera também a produção de mais produtos além daqueles que estão disponíveis neste momento, quer nos terminais automáticos, quer online, que se resumem a três possibilidades: vendas avulso, "passe" para três dias e pré-comprado para cinco dias.