Caixa Geral de Depósitos formaliza venda da Mercantile Bank ao Capitec Bank por 3,56 biliões de randes

0
110

A Caixa Geral de Depósitos formalizou na quinta-feira a venda de 100% do capital social da Mercantile Bank Holdings Limited (Mercantile) ao Capitec Bank Limited (Capitec) por 3,56 biliões de randes (cerca de 215 milhões de euros), indicou em comunicado a CGD.

 “A Caixa Geral de Depósitos (CGD) formalizou hoje (7 Novembro) a venda definitiva das acções representativas de 100% do capital social da Mercantile Bank Holdings Limited (Mercantile), ao Capitec Bank Limited (Capitec), por 3,56 biliões de randes sul-africanos (ZAR), cerca de 215 milhões de euros”, explicou a Caixa num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 A cerimónia de assinatura realizou-se em Joanesburgo, África do Sul, na sede da Mercantile, com a presença do administrador executivo da CGD, Francisco Cary, e do CFO do Capitec, André du Plessis.

 De acordo com o mesmo comunicado, o processo de venda da Mercantile iniciou-se em 2017, e faz parte “do Plano Estratégico aprovado no âmbito do processo de recapitalização da CGD”.

Este processo culminou com a “seleção pelo Conselho de Ministros, em Novembro de 2018, do Capitec como adquirente das ações e com a conclusão, em Outubro de 2019, do processo de aprovação pelas autoridades competentes”, adiantou.

 A CGD referiu que, depois desta venda, vai “continuar a trabalhar com o objectivo de cumprir integralmente os objectivos do Plano Estratégico”.

 “Além da racionalização do negócio internacional, a CGD tem também como objectivos a redução da sua estrutura de custos e do volume de activos não-performantes do seu balanço, de forma a melhorar a sua rentabilidade”, acrescentou.

 De acordo com a Caixa, foi também concretizado na passada quinta-feira um acordo de cooperação entre a CGD, a Mercantile e o Capitec “o qual consubstancia o interesse das partes em continuar a cooperar comercialmente no futuro”.

 “O Capitec é uma das maiores e mais dinâmicas instituições de crédito na África do Sul”, salientou a Caixa.