Braga vence Belenenses e regressa ao comando da I Liga seis anos e meio depois

0
69

O Sporting de Braga isolou-se ontem no comando da I Liga de futebol – seis anos e meio após a última ‘intromissão’ na liderança -, ao vencer o Belenenses por 3-0, aproveitando o deslize do Benfica na sexta jornada.

  Um ‘bis’ do avançado Wilson Eduardo, aos 27 e 68 minutos, o segundo de grande penalidade, e um golo de Ricardo Horta, aos 34, lançaram os ‘arsenalistas’ para o quarto triunfo consecutivo na prova, em contraponto com o Belenenses, 12.º colocado, que não vence desde a ronda inaugural.

  O Braga já não era líder isolado do campeonato desde março de 2012, quando, sob o comando de Leonardo Jardim – actual treinador do Mónaco -, venceu a Académica por 2-1 e assumiu o topo da classificação, que entregou apenas cinco dias mais tarde ao FC Porto.

  Wilson Eduardo juntou-se ao médio Pizzi (Benfica) e ao avançado camaronês Vincent Aboubakar (FC Porto) no segundo lugar dos melhores marcadores da prova, todos com quatro golos, menos um do que o brasileiro Dyego Sousa, colega no Braga, líder dos ‘artilheiros’.

  No Estádio Nacional, o Braga não desperdiçou a oportunidade de assumir a liderança isolada, com um ponto de vantagem sobre o FC Porto e dois sobre o Benfica, cujo empate 2-2 no estádio do Desportivo de Chaves, na quinta-feira, na abertura da ronda, aguçou o ‘apetite’ dos bracarenses.

  O Benfica caiu para o terceiro lugar, uma vez que já na sexta-feira tinha sido ultrapassado pelo campeão FC Porto – em vésperas do confronto com o rival -, que se impôs por sofrido 1-0 na receção ao Tondela, graças a um golo marcado pelo brasileiro Soares, aos 85 minutos.

  O Sporting, vencedor por 2-0 na recepção de sábado ao Marítimo, recompôs-se da derrota sofrida na ronda anterior do reduto do Braga (1-0), seguindo na quarta posição, em igualdade com o Rio Ave, ambos a um ponto do Benfica e a três da liderança.

  O Santa Clara subiu ao sétimo lugar, ao conquistar a primeira vitória fora de casa no campeonato, e logo por categórico 3-0, sobre o Nacional, que sofreu o terceiro desaire no seu recinto (em outros tantos jogos) e ainda só conquistou um triunfo na competição.

  O avançado brasileiro Fernando inaugurou o marcador logo aos quatro minutos, abrindo caminho ao sucesso dos açorianos, que aumentaram a vantagem durante a segunda parte, por intermédio do iraquiano Rashid, aos 68, e Pineda, de El Salvador, aos 76.

  Um golo de Nuno Valente, aos 90+1 minutos, evitou que o Vitória de Setúbal (14º posicionado) saísse derrotado frente ao Vitória de Guimarães (nono), fixando o empate 1-1 no estádio dos minhotos, que se tinham colocado em vantagem aos 61, por intermédio do venezuelano Yórdan Osorio