Benfica vence com golos ao ritmo sul-americano

0
79
Benfica

Benfica O Benfica apurou-se para os quartos de final da Taça de Portugal em futebol, com uma mão cheia de golos, todos marcados por sul-americanos, infligida a um frágil Olhanense (5-0).

 Saviola, Salvio, Cardozo (por duas vezes) e Luisão permitiram ao Benfica somar um triunfo incontestável no jogo em atraso da competição, garantindo a viagem a Vila do Conde, onde a formação de Jorge Jesus vai discutir o acesso às meias finais com o Rio Ave.
 Perante uma assistência muito reduzida, o Benfica apresentou-se com três novida-des: Júlio César retirou a titularidade a Roberto, Ruben Amorim ocupou o lugar de Maxi Pereira na lateral direita e Airton pisou terrenos à frente do quarteto defensivo, nas funções de Javi Garcia.

 A equipa de Jorge Jesus não perdeu a vocação claramente ofensiva, com os jogadores do meio-campo para a frente a manterem o mesmo instinto.
 O Olhanense (sem Jardel, apontado como certo no Benfica) procurou reduzir espaço e retirar tempo a essas unidades mais criativas dos “encarnados”, mas nem sempre a ação foi conseguida por deficiente cobertura dos seus  adversários.
 O Benfica fez uma gestão equilibrada da bola e acabou por dar expressão ao favori-tismo aos 20 minutos, com Saviola a marcar o primeiro, após uma excelente abertura em profundidade de Carlos Martins.

 Nos últimos oito jogos das competições nacionais, que sucederam à copiosa derrota no Dragão (5-0), o argentino do Benfica apenas não marcou frente à Naval 1.º de Maio.
 Aos 27 minutos, Salvio ampliou, numa jogada que denunciou a incapacidade da defesa do Olhanense em anular as iniciativas rápidas de envolvência do Benfica.

 Coentrão ganhou a bola já no meio-campo contrário e entregou-a Saviola, que encontrou o compatriota completamente solto na direita. O remate cruzado de Salvio não ofereceu qualquer hipótese de defesa a Ricardo Batista.
 O guarda-redes do Olhanense, que aos três minutos ne-gou o golo a Cardozo com uma defesa apertada, pouco poderia fazer também aos 40 minutos, quando o paraguaio, solicitado por Gaitán, executou um “chapéu” para o terceiro.

 A formação de Jorge Jesus recolheu ao balneário com uma exibição agradável e paradigmática na primeira parte, frente a um adversário que apenas visou a baliza do Benfica por duas vezes, nos re-mates sem perigo de Rui Duarte.
 Com Aimar no lugar de Carlos Martins, o Benfica voltou a controlar o jogo no segundo tempo, com o Olhanense, que recuou, a evidenciar as mesmas dificuldades para travar os benfiquistas, sempre mais rápidos.

 O Benfica, com Aimar menos influente do que Carlos Martins, teve mais tempo a bola e instalou-se no meio-campo do conjunto algarvio.
 Na sequência de um lance de bola parada, aos 61 minutos, Luisão foi assistido por Saviola e, com um remate acrobático, marcou o quarto, após o qual Jorge Jesus procedeu a alterações que visaram poupar elementos mais utilizados para outras batalhas.
 O Olhanense, com a entrada do veloz Yontcha, pareceu que tinha capacidade para se estender no terreno, mas as duas iniciativas da formação de Daúto Faquirá não se re-petiram mais e nem sequer colocaram em sobressalto a defesa anfitriã.
 Num jogo com sentido único, Cardoso (81 minutos) insistiu e apontou o quinto à meia volta.

FICHA DE JOGO
 
Encontro no Estádio da Luz, em Lisboa.
Resultado:
 Benfica – Olhanense, 5-0.
 Ao intervalo: 3-0.
Marcadores:
 1-0, Saviola, 20 minutos.
 2-0, Salvio, 27.
 3-0, Cardozo, 40.
 4-0, Luisão, 62.
 5-0, Cardozo, 81.

Equipas:
 Benfica: Júlio César, Ruben Amorim, Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão (Maxi Pereira, 78), Airton, Carlos Martins (Aimar, 46), Gaitán, Salvio, Saviola (Alan Kardec, 64) e Car-dozo.
 Olhanense: Ricardo Batista, João Gonçalves, Maurício, Mexer, Ismaily, Fernando Alexandre (Lulinha, 73), Rui Duarte, Cadu, Paulo Sérgio, Jorge Gonçalves (Nuno Piloto, 59) e Adilson (Yontcha, 64).
Árbitro: Paulo Baptista (Portalegre).
 Ação disciplinar: Cartão amarelo para Maurício (22), Fábio Coentrão (29), Luisão (38), Cardozo (51) e Fernando Alexandre (71).
 Assistência: Cerca de 5000 espectadores.