Benfica vence Basileia na Suiça e assume a liderança do Grupo

0
65
Benfica vence Basileia na Suiça e assume a liderança do Grupo

Benfica vence Basileia na Suiça e assume a liderança do GrupoO Benfica venceu na Suíça o Basileia por 2-0 na sequência de uma exibição personalizada e com classe, assumindo o comando do grupo C da Liga dos Campeões de futebol, com sete pontos.

 A boa organização defensiva dos “encarnados” permitiu-lhes travar o ímpeto inicial dos suíços, que entraram a impor forte ritmo e a pressionar, num período que durou apenas o primeiro quarto de hora, altura em que o Benfica começou a conseguir circular a bola.
 A verdade é que os “encarnados” não tardaram a adiantar-se no marcador, depois do assédio a que foram sujeitos no primeiro quarto de hora, desferindo rude golpe na saúde anímica dos suíços que até àquele momento não mereciam o golo de Bruno César.

 A verdade é que este golo foi um “hino” ao futebol, surgindo em resultado de uma jogada colectiva notável que culminou com o remate cruzado do brasileiro que foi antecedido por um gesto inteligente de Rodrigo, que abriu as pernas para a bola passar em direção ao seu companheiro.
 Este golo teve o condão de reforçar a confiança da equipa “encarnada”, que, finalmente, começou a impor o seu futebol apoiado, em progressão, com rápidas trocas de bola, emergindo a qualidade individual dos seus jogadores.

 O Basileia levou algum tempo a refazer-se do golpe, mas a verdade é que os suíços demonstraram um espírito guerreiro e de inconformismo que obrigou os jogadores do Benfica a arregaçar as mangas para os despiques físicos sempre muito intensos.
 No entanto, o Benfica nunca deixou de ter o controlo do jogo, sustendo a dinâmica ofensiva dos suíços e procurando surpreendê-los no contragolpe.
 Quem surpreendeu foi Jorge Jesus com a opção por Rodrigo no “onze” inicial, deixando no banco Saviola e Cardozo e mantendo Aimar como número 10 e dois alas de grande dinâmica e capacidade de improvisação como Gaitán e Bruno César.

 A verdade é que, apesar de ter cumprido os “serviços mínimos”, o internacional Sub-21 espanhol revelou alguma falta de sincronização com Aimar e com os dois extre-mos, apesar da sua total entrega ao jogo.
 Na segunda parte, o jogo foi mais equilibrado, apesar do maior pendor ofensivo do Basileia, que estava em desvantagem no marcador, tendo valido ao Benfica, mais uma vez, duas intervenções decisivas do guarda-redes Artur a evitar o empate.

 Jesus demorou mais tempo do que seria aconselhável a trocar Rodrigo, cuja produção foi caindo à medida que o jogo avançava, e acabou por ser premiado com o golo de Cardozo, num livre directo, quatro minutos depois de este ter entrado em campo, explorando a má colocação da barreira suíça.

 Com o segundo golo, o destino do jogo ficou traçado, apesar da expulsão de Emerson aos 86 minutos e do Basileia, numa demonstração de inconformismo, nunca ter desistido, obrigando o Benfica a manter a concentração até ao derradeiro minuto de compensação.
 Além do lateral brasileiro, também o treinador Jorge Jesus recebeu ordem de expulsão, aos 90+3 minutos, por protestos após uma entrada dura sobre Bruno César.