Benfica sagra-se campeão português de futsal

0
82

O Benfica sagrou-se cam-peão nacional de futsal, ao bater em casa o Sporting, por 4-3, no quinto e último jogo da final, disputado no Pavilhão da Luz, em Lisboa.

 Raul Campos, que marcou por duas vezes ao minuto 7 e completou o ‘hat-trick’ aos 15, e Bruno Coelho, aos 14, fizeram os golos do Benfica, enquanto Cardinal (09), Léo (12) e Rocha (18) marcaram para o Sporting, que defendia o título.

 O Benfica conquistou o seu oitavo título de campeão, o primeiro desde a época 2014/15, e travou a série de três campeonatos do Sporting, num ano em que os ‘leões’ se sagraram campeões europeus, venceram a Taça de Portugal e procuravam o seu 16.º título nacional.

 Nos outros encontros da final – uma reedição da anterior -, disputada à melhor de cinco, o Benfica impôs-se no segundo, por 6-3, e no terceiro, por 4-3, enquanto os ‘leões’ venceram o primeiro, por 5-4, e o quatro, por 5-3, ambos no prolongamento.

 

Declarações

 

 Declarações após o Benfica-Sporting (4-3), no quinto jogo, à melhor de cinco, da final do campeonato nacional de futsal:

 Joel Rocha (treinador do Benfica): “Penso que o Benfica, esta época, foi a melhor equipa em Portugal. Esta reconquista veio em forma de recompensa e a medalha é tão saborosa quanto a dificuldade que tivemos para conquistá-la. Quando, há cinco anos, este clube me convidou, fiquei com um sonho de menino, que hoje foi concretizado: ser campeão em casa. Valeu todas as horas de sacrifício e de trabalho. Para ganhar, é preciso saber perder e o Benfica soube perder.

 Fomos uma equipa mais racional, não nos esquecemos daquilo que sentimos no ano passado quando perdemos e também quando fomos eliminados da Liga dos Campeões sem derrotas. Sempre procurámos dentro de nossa casa as soluções para conseguir vencer e estou grato, honrado e muito orgulhoso.

 Senti, com os minutos a passar, a nossa baliza muito bem protegida por homens que se entregaram de corpo e alma por esta camisola. Esse nível de compromisso foi extraordinário. O mérito é completo e total dos jogadores. Todos eles estavam, desde o pri-meiro dia, comprometidos em serem campeões nacionais. Muito feliz pelos 17 jogadores que compõem este plantel, que são de uma nobreza in-crível. Hoje, eles podem dizer que são campeões nacionais de futsal pelo Benfica.

 A nossa equipa técnica obriga a equipa técnica adversária a ser melhor e eles obrigam-nos também a sermos melhores. É um desafio apaixonante e vai sempre haver um vencedor e um vencido. Não podemos esquecer que o Sporting era tricampeão e campeão europeu. Durante toda a época, o Benfica teve um excelente desempenho. Quando perdemos 6-1 em Alvalade, tudo foi colocado em causa. Viemos para casa procurar soluções e encontrar o nosso caminho, que ficou concluído.

 Na primeira parte, o Benfica começou muito proativo. Para sermos campeões, tínhamos de ser uma equipa corajosa e assumir o risco de procurar a baliza. Conseguimos ficar na frente por 2-0, só uma grande equipa como o Sporting consegue empatar, mas nós não abanámos. Ainda consentimos o 4-3 e depois, na segunda parte, não houve golos, o que é raro acontecer, mas premeia claramente a nossa qualidade defensiva.

 Tem ficado provado que ganhar é difícil. Repetir a vitória é ainda mais difícil, mas temos a convicção de que esta vitória pode ser, e tudo faremos para que seja, a inversão de um ciclo de vitórias que queremos trazer para a nossa casa. Esta equipa está hoje muito mais preparada para ganhar de forma consecutiva e consistente. Acredito que foi o ponto de viragem. Acredito que estamos no caminho certo, mas temos de continuar a trabalhar para conseguir isso.

 Quando adormecer, vou ficar de consciência tranquila, porque ajudei a engrandecer o Benfica. Hoje, é um dia muito feliz e especial. Dedico esta vitória ao presidente, que sempre acreditou em nós, e à equipa técnica multidisciplinar. Todos merecem uma palavra de gratidão.”

 Nuno Dias (treinador do Sporting): “A época não terminou como pretendíamos, mas realço o orgulho que tenho nos meus jogadores, que tudo fizeram durante esta época para que os resultados fossem melhores.

 Hoje, tentámos mais uma vez, mas não conseguimos. Foi uma final dura e difícil, em que fizemos tudo para que o resultado fosse melhor. Demos uma parte de avanço e permitimos que o Benfica se adiantasse e estivesse confortável no jogo. Conseguimos reagir, chegámos ao intervalo com desvantagem mínima e, na segunda parte, fomos tentando e obrigámos muitas vezes o Benfica a jogar mal. No 5×4, tivémos uma fase mais contida e outra mais objectiva, quase que conse-guimos levar o jogo a prolongamento.

 Tenho um orgulho enorme nesta equipa, pela forma digna com que encararam esta época. Dou os parabéns ao campeão, foi mais eficaz, melhor e mais feliz. Parabéns ao Benfica pelo título, mas parabéns também aos meus jogadores por muitos objectivos alcançados durante a época.

 Tenho um balneário triste. Fizémos o que nos competia, corremos, lutámos, movimentámo-nos, criámos oportunidades e dificultámos o jogo do adversário. Conseguimos fazer uma boa segunda parte, que nos podia levar a outro resultado. Apesar de toda a tristeza, há um orgulho muito grande no caminho e não é por não termos conseguido conquistar um inédito tetra, que tanto procurámos, que a minha equipa deixa de ter a qualidade que tem.

 Estamos todos a precisar de férias. A época foi longa, dura e violenta para todos, precisamos de desligar um pouco. A partir de Julho, começa a nova época. A partir daí, é preparar a próxima temporada e o próximo troféu, que é a Supertaça. Até lá, precisamos de festejar aquilo que de bom fizémos ao longo da época.

 O único momento que posso concordar com alguma irregularidade foi no afastamento da Taça da Liga, numa fase precoce da época. O Sporting perdeu apenas cinco pontos durante a fase regular, conquistou a Taça de Portugal e a Liga dos Campeões, os jogos foram equilibrados e extremamente competitivos nesta final com o Benfica. Tirando o aspecto da Taça da Liga, penso que o Sporting fez uma época extraordinária e esteve a um nível bastante bom.”