Benfica derrotado no Estádio da Luz esteve muito perto ser eliminado da Liga Europa

0
46
Benfica

BenficaO Benfica esteve na iminência de ser eliminado das competições europeias de futebol depois de uma exibição medíocre na Luz que se traduziu numa derrota por 2-1 com o Schalke 04, em jogo da Liga dos Campeões.

 Nem mesmo uma ligeira melhoria registada na segunda parte, com as entradas de Ai-mar e Gaitán, para os lugares de Maxi Rodriguez, mais em termos de entrega ao jogo do que propriamente por valor acrescentado pelos dois argentinos, amenizou o peso da derrota.
Mais uma vez, tal como sucedera na época passada na eliminatória da Liga Europa frente ao Liverpool, ou já esta temporada no Dragão, Jorge Jesus “inventou” e quando quis “emendar a mão” já foi tarde. Valeu o empate no Lyon-Hapoel de Telavive (2-2), que assegurou um lugar ao Benfica na Liga Europa

 A jogar num 4x1x3x2, o técnico “encarnado” optou surpreendentemente por colocar Ruben Amorim no flanco direito e César Peixoto no esquerdo, quando é notório que este jogador não está ao nível exigido, embora hoje toda a equipa tenha estado toda um nível muito baixo.
 A exibição que o Benfica realizou frente ao Schalke 04 foi tão inexplicável quanto deplorável, quer pela mediocridade do futebol que exibiu quer pela falta de vontade evidenciada pelos seus jogadores.

 Com efeito, não se entende tanta falta de querer e de “chama” por parte dos joga-dores estando em causa um jogo da Liga dos Campeões, mesmo tão-pouco o facto do Benfica ter entrado em campo já eliminado justifica tamanha displicência e falta de aplicação.
 A ideia que os seus jogadores deixaram transparecer para quem assistia ao jogo foi a de uma equipa divorciada do seu treinador, cuja mensagem deixaram, pelo menos na apa-rência, de assimilar.

 O Benfica jogou os primeiros 45 minutos a passo, de tal modo que o Schalke 04 não sentiu quaisquer dificuldades em bloquear as transições ofensivas do Benfica, às quais, faltou sempre, profundidade e contundência.
 A lentidão que o Benfica impôs ostensivamente ao jogo desde o primeiro minuto era tal que a equipa parecia estar em greve geral, à qual só não aderiu Fábio Coentrão nos primeiros vinte minutos, com algumas acelerações pelo flanco esquerdo que quebraram o jogo mastigado que caracterizou o futebol “encarnado” durante a primeira parte.

 O Schalke marcou cedo, logo aos 19 minutos, por Jurado, o homem que faz mexer todo o futebol da equipa alemã, perfeitamente acessível ao Benfica, o que acentua o fracasso do campeão nacional nesta Liga dos Campeões.
 Na segunda parte, o Benfica subiu um pouco de rendimento com as entradas de Aimar e Gaitán, mas sempre dando a sensação de incapacidade para dar a volta ao resultado.
 O segundo golo dos alemães surgiu aos 81 minutos, na s-quência de mais um erro de-fensivo da defesa “encarnada” (a defesa subiu e deixou o central alemão Howedes isolado frente a Roberto), o que fez pairar a eliminação do Benfica de todas as provas europeias, já que o Hapoel vencia em Lyon por 2-1.

 Nem o golo de Luisão ao “cair do pano” amenizou a frustração dos adeptos encarnados, cuja única alegria na noite de hoje foi o golo do empate dos franceses do Lyon, que recolocou o Benfica na Liga Europa.

FICHA DE JOGO

 Encntro no Estádio da Luz, em Lisboa.
 Resultado:
 Benfica – Schalke 04, 1-2.
 Ao intervalo: 0-1.
 Marcadores:  0-1, Jurado, 19 minutos;  0-2, Howedes, 81; 1-2, Luisão, 87.
 Equipas:
 Benfica: Roberto, Maxi Pereira (Gaitán, 46), Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão, Ru-ben Amorim, Javi Garcia, César Peixoto (Aimar, 46), Carlos Martins (Salvio, 79), Sa-viola e Cardozo.
 Schalke 04: Neuer, Uchida, Howedes, Metzelder, Schmitz, Kluge (Matip, 82), Papadou-poulos, Jurado (Jendrisek, 87), Rakitic, Raul e Huntelaar (Edu, 85).
 Árbitro: Howard Webb (Inglaterra).
 Ação disciplinar: Huntelaar (63), David Luiz (67), Saviola (71), Aimar (77) e Rakitic (78).