Barca Velha 2008 da Casa Ferreirinha recebe a mais alta distinção inédita em Portugal

0
86
Vinho português Barca Velha 2008 da Casa Ferreirinha recebe a mais alta distinção inédita em Portugal

A colheita Barca Velha de 2008 recebeu a distinção máxima de 100 pontos pela prestigiada revista especializada Wine Enthusiastic. Este vinho icónico da Casa Ferreirinha, uma marca pioneira dos vinhos do Douro, alcança assim o feito inédito de ser o primeiro vinho português não fortificado a atingir a pontuação máxima numa publicação norte-americana de referência.

 Luis Sottomayor, o enólogo responsável pelos vinhos da Casa Ferreirinha há mais de 10 anos referiu: “ É sempre um grande motivo de orgulho ver o trabalho da nossa equi-pa reconhecido ao mais alto nível. Esta distinção nunca antes alcançada representa, acima de tudo, o reconhecimento do esforço constante que a Casa Ferreirinha tem feito desde 1952 para assegurar a sustentada melhoria dos vinhos DOC do Douro, cotando-se hoje como a marca de referência da região junto da mais exigente crítica internacional e de um crescente número de consumidores.”

 No dia do lançamento desta colheita de 2008 agora pre-miada, Luis Sottomayor sustentou que “estamos perante um Barca Velha de grande ga-barito, um vinho para conhecedores porque demora a mostrar-se. É preciso tempo e paciência para ele revelar tudo o que vale. E é muito!”

 Recorde-se que falar do sucesso do Barca Velha e da Casa Ferreirinha é falar do so-nho alimentado desde a década de 40 do Século XX pelo enólogo Fernando Nicolau de Almeida, que já então idealizava um vinho tinto do Douro digno da filosofia de qualidade e de guarda dos Porto Vinta-ge, que sabiamente produzia desde que, em 1929, ingressara na FERREIRA.

 Sob o nome de Barca Velha, este sonho concretizou-se em 1952, quando ainda ninguém pensava em fazer grandes vinhos tintos no Alto Douro. A génese da Casa Ferreirinha é, portanto, uma verdadeira lição de enologia que para sempre determinou a evolução dos vi-nhos desta marca de referência, uma evolução enriquecida com a implantação de raiz da Quinta da Leda, adquirida pela companhia em 1979, e onde a partir de meados da década de 80 passaram a nascer as uvas que permitiram aumentar e melhorar a produção dos vinhos desta marca emblemática.

 E se esta história é cheia de momentos altos, a construção na Quinta da Leda de uma adega exemplar, em 2001, veio enriquecer a narrativa. Uma adega que tem permitido à equipa de enologia da Casa Ferreirinha manter intactos os valores de inovação e qualidade ostentados pela marca desde a primeira hora.

 A nossa reportagem foi falar com o director Giorgio Pagan, do Wines of the World, importadores deste vinho e de todas as marcas mais conhecidas da Sogrape e disse-nos: “hoje é um grande dia para mim, sinto-me feliz com este feito da Barca Velha que  deixa todos os portugueses muito orgulhosos, não só na África do Sul, como em todo Portugal.”