Banco de Portugal reduz maturidade máxima dos créditos ao consumo para sete anos

0
6

 A maturidade máxima dos créditos ao consumo será reduzida para os sete anos, com exceções para créditos destinados a educação, saúde, energias renováveis e automóvel que mantêm os 10 anos, anunciou o Banco de Portugal (BdP).

 A medida – que entrará em vigor em 1 de Abril – foi decidida pelo Conselho de Administração do BdP na qualidade de autoridade macroprudencial para “promover a resiliência do setor bancário e das famílias, contribuindo para a redução da probabilidade de incumprimento do crédito e minimizar as perdas em caso de incumprimento”.

 Face aos riscos observados no actual enquadramento, refere o BdP, a maturidade do crédito ao consumo passará assim a ser diferenciada por tipo de crédito, com a maturidade máxima das novas operações de crédito pessoal a serem reduzidas para os sete anos.

 “Excetuam-se os créditos com finalidades de educação, saúde e energias renováveis, cuja maturidade máxima continuará a ser 10 anos, desde que estas finalidades sejam devidamente comprovadas”, sinaliza a instituição em comunicado, acrescentando que a maturidade nos contratos de crédito automóvel também não será alterada.