Banco central da África do Sul anuncia venda de participação no African Bank

0
114

 O Banco de Reserva da África do Sul (SARB) pretender vender a sua participação de 50% no African Bank até 2021, disse o vice-governador do banco central na quinta-feira em Joanesburgo.

 O African Bank foi colocado sob a supervião do SARB, em 2014, após quase entrar em colapso devido ao peso dos chamados “empréstimos maus”. O banco foi retirado da alçada do African Bank Investments Ltd (Abil) quando a empresa listada começou a entrar em incumprimento.

 “Não é a intenção do Banco Central deter as acções por muito tempo, mas queremos garantir que o banco seja sólido e estável antes de sairmos”, disse o vice-governador Kuben Naidoo a jornalistas, citado pela Reuters.

 “Nesse sentido, provavelmente, no próximo ano ou dois, o Reserve Bank vai querer desfazer-se da sua participação”, referiu Naidoo durante a apresentação do relatório da Autoridade Prudencial sobre o sector bancário, acrescentando que a venda da participação dependerá das condições de mercado.

 De acordo com as metas de 2021, o African Bank quer aumentar os depósitos de retalho e reduzir a exposição ao crédito não garantido, escreve a agência financeira Reuters.

 A Autoridade Prudencial, que regula o sector financeiro, indica no seu relatório anual que cinco bancos controlavam 90,5% dos activos bancários da África do Sul até 31 de Março.

 Os bancos são Absa, First-Rand, Nedbank, Standard Bank e Capitec Bank.

 As agências locais de bancos internacionais representam 5,6% do mercado, enquanto outras detêm 3,8%, segundo o relatório.

 A autoridade reguladora sul-africana informou ainda ter recebido 27 licenças de instituições financeiras, incluindo bancos, instituições mutualistas e seguradoras, no ano financeiro até ao final de Março.

 “Achamos que isso é muito positivo. Achamos que promoverá a concorrência e a inclusão financeira ”, afirmou Naidoo. “Então, estamos muito animados com os novos concorrentes, alguns deles recorrendo a novas tecnologias para entrar no sector”, afirmou.