Associação Portuguesa do KwaZulu Natal reabriu mas enfrenta muitas restrições

0
145

 A epedemia do coronavírus no KwaZulu Natal é sentida por muitos dos seus habitantes, mas em especial pela comunidade portuguesa radicada na província, pelas organizações que planeavam e organizavam convívios tais como almoços, jantares e festejos alusivos à nossa cultura, tradições, história, religião, etc.. Algumas das organizações foram contactadas pelo nosso Jornal para sumarizar a situação corrente.

  A APKZN, o lugar mais frequentado pelos membros da nossa comunidade, tem sido muito afectada durante o período de confinamento. A Associação foi encerrada a 22 de Março e só reabriu parcialmente a 5 de Julho. Durante o encerramento foram preparadas algumas refeições para fora, durante o período de autorização.

  O bar que era o maior contribuinte financeiro para o pagamento das despezas desta organização, está completamente encerrado devido a não serem autorizadas vendas de bebidas alcoólicas.

  Na reabertura estiveram presentes 19 pessoas no sábado e 15 no domingo. A restauração abriu mas com muitas restrições. Na parte do desporto está tudo cancelado, com excepção do jogo de sueca que é disputado irregularmente.

  Os trabalhadores estiveram empregados durante o período de encerramento, mas com um salário reduzido e devem cumprir as recomendações de segurança e higiene.

  O presidente da Direcção, José da Silva, está muito preocupado com a presente situação. Solicita-se que os membros da Associação mantenham as quotas em dia e os membros da comunidade e as organizações portuguesas na província suportem a APKZN.