Assembleia-Geral Anual da Sociedade Portuguesa de Beneficência

0
65

Decorreu na quinta-feira 19 de Julho a Assembleia-Geral Anual da Sociedade Portuguesa de Beneficência (SPB) no Lar Rainha Santa Isabel. Desta reunião decorreu que oito novos membros entraram para o Board of Trustees do Lar Rainha Santa Isabel, os novos elementos são António Leite, Henrique Pereira, José Ferreira, Dominic Pais, São Quelho, Michael de Andrade, Luís Guerreiro e Carlos Canha.

 Desta reunião também decorreu que as despesas só em ordenados e custos correntes ascendem a mais de 120 mil randes. O que se consegue suprir com as rendas da Villa Santa Isabel, mas que não se conseguem colmatar todas as despesas. Não se está a gastar água da rede e a despesa foi estancada, mas a dívida está a ser paga e ainda ascende a mais de um milhão de randes.

 A Assembleia-geral começou pelas 19h05 com o comendador Gilberto Martins, o presidente do Board of Trustees, a dar as boas-vindas a todos os presentes. Pediu que a presidente do executivo da SPB iniciasse o serão com uma oração. Após a oração feita, Isabel Policarpo leu a lista de nomes de residentes do Lar Santa Isabel que faleceram durante o ano que decorreu desde a última Assembleia-Geral. Foi, em memória dos residentes falecido, guardado um minuto de silêncio.

 O comendador Gilberto Martins fez o seu relatório de presidente do Board of Trustees. No seu relatório começou por dar as boas-vindas a todos e agradecer a participação active de todos naquela instituição comunitária. “Cada um de vós presentes nesta noite e todos os que no Passado por aqui passaram, bem como todos os que nos seguirão, sabem da importância dos papeis que desempenharam aqui para assegurarem que esta instituição que aqui vêm hoje, carregue um pouco da vossa Humanidade”.

 “É um tributo e reflecte o importante contributo da Comunidade portuguesa na África do Sul e em particular, em Joanesburgo.” “Ao olharem à volta, podem ver que o Lar Santa Isabel chegou a uma nova dimensão, um objectivo conseguido dentro do ano financeiro que agora terminou.”

 “Os projectos-chave foram completados neste ano financeiro, a unidade da Enfermaria e a unidade de Cuidados Intermédios. Dos quartos renovados, foram ao todo 6 renovados com um custo de 25 mil randes cada.”

 O comendador Martins agradeceu profundamente a ajuda dos patrocinadores e mecenas da instituição pelas contribuições que possibilitaram as obras. Agradeceu também à comissão de obras constituída por José Luís Rodrigues, José Contente, José Valentim e a presidente do executivo, Isabel Policarpo. O comendador Martins agradeceu a ajuda de Jorge Araújo em completar as obras dos Cuidados Intermédios.

 O presidente do Board of Trustees enalteceu o trabalho de Manuel de Abreu em termos de segurança e na continuada negociação com a câmara municipal de Joanes-burgo no abate e pagamento da dívida de água. A advogada Chantelle de Sousa foi também elogiada pelo trabalho feito em prol do Lar, em termos de casos de lei do trabalho e tudo no que se relaciona em matérias legais e de direito.

 Gilberto Martins também elogiou o trabalho do comendador José Valentim em tornar o Lar cada vez mais autossuficiente com o donativo de três novos furos artesianos de água. Agradeceu o contributo positivo dado por todos durante o festival do Magusto. Foi também feito um forte agradecimento a Pedro Silva pelos donativos de refeições e de trabalho de cozinha e aos outros membros e mecenas que trabalharam incansavelmente nos três dias de festival.

 Martins também elogiou e enalteceu muito o contributo do semanário O Século de Joanesburgo em cobrir todos os eventos decorridos no Lar. Mais informou que o Lar mensalmente tem um passivo financeiro de 60 mil randes. Acrescentou que depois dos donativos recebidos, mais dois foram requisitados ao Estado de Portugal e que espera “serem visto de forma favorável para o Lar”.

 Foram mencionados os vários almoços e jantares, lanches e eventos organizados no Lar para angariação de fundos para a Instituição da Terceira Idade. O comendador Martins informou, que segundo os estatutos, saem cinco membros do Board of Trustees, eles: Isabel Polocarpo, Pedro Teixira, Manny de Abreu, Chantelle de Sousa, Orlando Marques e Jorge Araujo e Victor Sábio, este último que tragicamente faleceu no ano passado.

 Mantiveram-se no Board Chantelle de Sousa e Orlando Marques, bem como o próprio Gilberto Martins. Sairam do Board e do Executivo da SPB Isabel Policarpo, José Valentim, José Luís Rodrigues, Pedro Silva, Pedro Teixeira e Manuel de Abreu. Mantiveram-se no Board Chantelle de Sousa, José Contente, António Rebelo, Orlando Marques, Ivo do Sousa, Rui Policarpo e o comendador Gilberto Martins. A lista de nomes adicionais foi aprovada de António Leite, Henrique Pereira, José Ferreira, Dominic Pais, São Quelho, Michael de Andrade, Luís Guerreiro e Carlos Canha.

 Fez-se depois do discurso do comendador Gilberto Martins uma ovação de pé aos membros do Board que sairam e não continuam activamente a gerir o Lar e a SPB. A palavra foi depois dada para a intervenção de Isabel Policarpo.

 “Ao aproximar-se do fim do meu mandato, gostaria de agradecer a todos vós pelo apoio, amor, carinho e a vossa constante dedicação para este Lar. Os últimos quatro anos teriam sido bem mais difíceis sem o vosso apoio. A todos os nossos patrocinadores um grande obrigado pela ajuda e contribuições que tornaram as obras possíveis.”

 Isabel Policarpo agradeceu a todos os membros do Board of Trustees pela ajuda e conselho prestados.

 “Um obrigado especial à Fátima Curado, que me segurou a mão e me guiou quando não estava certa do meu próximo passo. Confiou em mim e acreditou em mim e encorajou-me a seguir em frente e tornar os nossos sonhos realidade. A Fátima foi fundamental em conseguir os nossos veículos que nos foram doados, ajudou na angariação de fundos e conseguir patrocinadores. Tenho tido muitas saudades da Fátima nestes últimos meses. Está muito melhor e rezo para que recupere por completo e o mais de pressa possível.”

 “Um especial obrigado ao Século de Joanesburgo, à comendadora Paula Caetano, ao senhor Varela Afonso, Carlos Silva, Michael Gillbee, Luís Peixoto e Eduardo Ouana que sempre nos dão cobertura aos nossos eventos e mostram o nosso trabalho. Os nossos residentes e colaboradores gostam muito de receber o jornal semanalmente e o Século também fez com que a Comunidade ficasse a saber o que aqui se faz. Estou verdadeiramente grata.”

 Isabel Policarpo desejou aos novos membros e à nova presidência do Executivo da SPB as maiores felicidades e sorte. Agradeceu à família o incansável apoio e concluiu a intervenção com um sentido agradecimento a todos os presentes.

 O tesoureiro, Pedro Teixeira, fez em seguida o seu relatório.

 Não discutiu pormenorizadamente o relatório de contas, mas falou antes em risco, que segundo ele crê, será um dos factores fundamentais no próximo ano financeiro. “O Lar te-ve que se certificar, que segundo a Lei do Trabalho da África do Sul, estão todos legais. Muitos estão já sindicalizados e estão a ser pagos os salários mínimos nacionais. O que, incrementou, em muito, as despesas deste ano. Esta-mos a pagar mais em mão-de-obra, qualificada e não-qualificada, mais do que as receitas mensais da instituição. O ano passado foi muito difícil e muitos dos residentes não pagaram. Nós precisamos de ter dinheiro para cuidar dos residentes actuais, sem trazer mais residentes.”

 Teixeira explicou que os casos estão a ser avaliados de perto para abrir mais vagas a novos residentes, mas que isso implica um acréscimo das despesas mensais. “Primeiro, temos que abater o malparado e certificar que não estamos a gastar desnecessariamente.”

 Informou que as casas alugadas da Villa Santa Isabel rendem 120 mil randes ao mês e que as despesas mensais são quase essas rendas, um pouco mais até. Mas o maior risco, segundo Teixeira, é a falta de supressão de custos. “Temos que ter dinheiro em caixa para pagar despesas correntes sem precisarmos recorrer a créditos ou endividarmo-nos.”

 A lista de novos membros do Boar foi aprovada por unanimidade e os novos membros tomaram o lugar à mesa do Board.

 As contas foram aprovadas bem como as minutas da Assembleia-Geral do ano anterior. Foram depois levantadas várias questões em relação aos donativos, contas e despesas, obras de melhoramento feitas no Lar e todos, sem excepção, foram respondidas por vários membros do Board.

 A Assembleia-Geral foi encerrada pelas 21h40.