Assembleia-Geral Anual da Sociedade Portuguesa de Beneficência aprova relatório e balancete

0
57
Assembleia-Geral Anual da Sociedade Portuguesa de Beneficência aprova relatório e balancete

Teve lugar na quinta-feira, dia 29 de Junho, no salão nobre do Lar da Rainha Santa Isabel em Albertskroon, Joanesburgo, a assembleia-geral anual da Sociedade Portuguesa de Beneficência (SPB). Desta assembleia-geral decorreu que a única lista candidata, a lista A, recandidatou-se e ficaram os cinco membros mais antigos, no Board of Trustees. Os cinco membros, comendador Gilberto Martins, José Contente, António Rebe-lo, comendador José Valentim e Manuel de Abreu, destinados pelos regulamentos a saírem, foi-lhes proposto que continuassem, para que segundo o presidnte do Board of Trustees, comendor Gilberto Martins, “se possam acabar as obras e terminar os projectos em curso”.

 José Manuel Sampaio, emigrado agora na Austrália, para além da razão óbvia de estar ausente, apresentou a sua demissão. No seu lugar ficou Jorge Araújo, nome que a assembleia aceitou.

 A assembleia começou pelas 19h05 com o comendador Gil-berto Martins, presidente do Board of Trustees, a dar as boas-vindas a todos os presentes. Agradeceu profundamente a presença de todos. Pediu à presidente do executivo da SPB, Isabel Policarpo, que fizesse uma oração para pedir a bênção e guia de Deus nos trabalhos daquela noite, em prol da Comunidade portuguesa.

 Após a oração, Isabel Policarpo leu uma lista de 11 residentes do Lar que faleceram no decurso dos 365 dias entre ambas as assembleias gerais de 2016 e 2017. Foi cumprido um minuto de silêncio em memória dos falecidos.

 O presidente do Board of Trustees confirmou à assembleia a existência do quorum necessário para a reunião ter lugar, com 27 membros com quotas pagas e três procura-ções de sócios também com quotas pagas.

 O comendador Gilberto Martins fez então o seu discurso. Começou com uma citação de Amy Leigh Mercree, “a bondade pode transformar um momento de escuridão de alguém com um raio de luz. Nunca saberá a importância do seu cuidado.”

 “A todos os presentes aqui neste serão, dou-vos as boas vindas e agradeço a vossa disponibilidade para aqui estarem hoje. A vossa presença, como associados e parceiros nesta maravilhosa instituição, é muito apreciada e agradecida por nós, Board e Lar. É nesta reunião que reflectimos sobre os eventos e relatório financeiro no período anterior 2016/2017 e agora, 2017 para 2018. Cada um de vós, no passado, aqui hoje e todos os que nos seguirão, vêem que a instituição carrega um pouco da humanidade e da alma de todos. A razão da existência do Lar é de cuidar, ter compaixão e dar uma casa aos mais necessitados que agora não podem e que são nossos residentes.”

 O comendador Martins continuou ao aludir à reflexão. “O Lar nasceu com o objectivo de ser uma instituição que fosse uma referência de cuidado e qualidade na Comunidade portuguesa. O Lar reflecte o contributo e visão dos fundadores da SPB .”

 “A cada nova composição do Board of Trustees, a jornada continua. Ninguém deixou cair o testemunho e ninguém se recusou aos desafios. Muitos perguntar-se-ão quem são os homens e mulheres, que desde então, deram o seu tempo e esforços, recursos financeiros, mas mais importante que tudo, têm sido compassivos e caridosos para com os residentes do Lar Santa Isabel.” “Seria errado nomear seja quem for, porque todos, sem excepção, deram o seu contributo, positivo, para esta grande casa.”

 O presidente do Board afirmou que sem o contributo constante dos membros do Board, da Direcção, dos vá-rios doadores e patrocinadores, a instituição teria já desaparecido.

 O comendador Martins afirmou ainda no seu discurso que a visão e os objectivos da instituição jamais mudarão e que continuará a crescer em força e prestigio o Lar da Rainha Santa Isabel, bem como a SPB. Mencionou o período de crescimento exponencial com as obras no Lar, sempre com a liderança e guia experiente de Jose Luis Rodrigues, José Contente, José Valentim, Isa-bel Policarpo e de todos os membros do Board e administração do Lar.

 “Quero também, igualmente em importância, agradecer ao Rogério Varela Afonso, director de O Século. Pelos donativos feitos do Grupo Século e pelo seu trabalho constante em angariar doadores e contribuintes para os fundos e para o bem da instituição.”

 Agradeceu a Isabel Policarpo, presidente da SPB, pelo seu trabalho constante,  es-forço e entrega à instituição e pelo resultado do donativo da Cell C, no valor de 1,8 mi-lhões de randes. A Manuel de Arede por ter iniciado os qua-dros de honra de 100.000 randes e por ter iniciado um novo para valores individuais de 101.000 randes.

 O presidente do Board concluiu agradecendo ao Século de Joanesburgo as suas continuadas reportagens, publicações relevantes da instituição e continuada atenção pa-ra com os residentes do Lar.

 Seguidamente, foi a vez de Isabel Policarpo fazer a sua intervenção.

 “Boa noite senhoras e senhores, agradeço muito o facto de estarem aqui todos presentes nesta noite fria de Inverno. Com o Frail Care em pleno funcionamento, apressamo-nos em fazer as renovações e melhorias à unidade de Cuidados Intermédios. Isto só foi possível graças aos donativos e contributos de todos os doadores e patrocinadores. Tivémos alguns precalços ao longo do caminho, nesta mais recente obra, mas já estamos de volta a traba-lhar em pleno e estamos dentro do tempo previsto para se completar a obra e colocá-la em funcionamento.”

 Policarpo informou os presentes de que uma reunião com a Organização de Alzheirmers na África do Sul, a ajudou com recomendações e preparativos para tornar a unidade no Lar operacional assim que terminarem as obras. “As 17 camas oferecidas pelo Grupo Red Skins já foram encomendadas. Bem como cortinas do Tony Jesus e começámos a aquisição de equipamento vário como máquinas de lavar loiça, televisão, microondas, torradeira e faqueiros e serviço de cozinha.”

 “Irei também ter uma reunião para assegurar o fornecimento de cadeiras e espregui-çadeiras para os nossos residentes na Unidade de Cuidados Intermédios.

 Começámos também já com o processo de renovações de alguns quartos, um processo que será faseado, mas que já começou com um donativo de 25.000 randes para o efeito. Os Mafiosos da Caridade renovaram também secções do Lar e a construção dos novos escritórios já começaram, com um donativo de 120.000 randes por parte da Acade-mia-Mãe do Bacalhau.

 O Henry Pereira ofereceu-se para renovar a capela e por isso, estamos muito gratos pelo seu patrocinio. A sala de televisão levou chão novo e a biblioteca tem prateleiras novas.

 Nada do que aqui disse e descrevi seria possível sem o generoso apoio dos doadores e do apoio da nossa Comu-nidade. O vosso continuado apoio é a razão pela qual somos orgulhosamente portu-gueses. Não importa quantas vezes eu peça, estão sempre lá para atender aos pedidos. Obrigado!

 Os nossos residentes gostam muito e alegram-se muito a ler as reportagens e ver as fotografias publicadas no Século, obrigado ao Michael Gillbee, Carlos Silva e ao senhor Varela Afonso pelo trabalho e dedicação à nossa causa.”

 A presidente da SPB agradeceu a José Luís Rodrigues pela voz de experiência e ajuda na comissão de obras do Lar e por toda a ajuda prestada. Ao Pedro Teixeira pelo trabalho de tesouraria, ao Pedro Silva por ter organizado o melhor e maior Magusto de sempre do Lar. Fez também uma especial menção a Manuel de Arede pelos donativos dados e pelo trabalho feito em angariar novos doadores.

 “Vamos continuar a fazer a diferença e a melhorar as vidas dos nossos residentes”, conclui Isabel Policarpo.

 Em seguida, o comendador Martins leu a acta da reunião do plenário anterior, a qual foi proposta para aprovação por Jorge Araújo e secundada por Rui Policarpo.

 O tesoureiro da instituição, Pedro Teixeira, fez o seu relatório para o ano de 2016/ 2017, afirmou que o ponto alto do período financeiro foram os donativos na ordem dos 3,9 milhões de randes. Outros dos pontos altos foi o Magusto, que deu uma receita de 822.000 randes. Os pontos baixos foram os créditos malparados, que aumentram para 391 mil randes e o problema da facturação de água, que  se encontra muito elevada. Um problema que está a ser tratado com as entidades competentes, mas que está a demorar e a fazer aumentar a factura. Pedro Teixeira afirmou que espera de 2018 um ano mau, tendo em conta as previsões económicas do país e globais. Vão, por isso, tentar manter o malparado o mais baixo possível e vão tentar resolver o problema da facturação da água o mais depressa possível, a par da abertura de um novo furo que torne a instituição autosuficiente no seu abastecimento!

 Com a conclusão das obras dos Cuidados Intermédios, querem abrir-se novas vagas de residentes para o Lar. Em conclusão, a entrada de capital rondou os 4 milhões de randes e à data havia no banco à ordem cerca de 3,8 milhões de randes.

 O comendador Rodolfo Gallego levantou o ponto de que é necessário apertar o controlo das entradas e medidas para pagamentos, para se evitar malparados e sobrecargas sobre a SPB.

 Rogério Varela Afonso recordou a proposta feita de apresentação de declarações de IRS para aprovações de entrada de residentes e felicitou a Direcção pela decisão de dar aos trabalhadores uma refeição diária, iniciativa que já tinha sugerido quando foi presidente do Board of Trustees da SPB.

 O relatório de contas foi proposto para aprovação por Rogério Varela Afonso e secundado por Adelaide Contente.

 Seguidamente, procedeu-se ao processo oficial de novos membros no Board. Aos pre membros cessantes que tinham pelas normas de sair dos seus postos, foi-lhes pedido que ficassem até à conclusão das obras. Assim, permaneceram Tony Rebelo, Gilberto Martins, José Contente, José Valentim e Ivo de Sousa. Para o lugar de José Manuel Sampaio, emigrado na Austrália,  foi convidado Jorge Araú-jo, que aceitou. Foi então proposto para aprovação por Analiza Lousada o novo Board of Trustees e foi secundado por Matilde Abreu.

 José Contente na sua intervenção focou o ponto do pro-blema da água e afirmou que um novo tanque iria ser colocado no Lar e que o comendador José Valentim iria, no momento oportuno, fazer dois novos furos de água para que a instituição pudesse ser virtualmente autosuficiente em termos hídricos.

 O comendador Gilberto Martins concluiu que a SPB passou por dois anos muito dificieis, de reestruturação e trabalho, que agora culminam. O Lar está no caminho certo e está em franco crescimento e melhoria. Há muita pressão nos membros do Board, porque o tempo é voluntário, mas o trabalho é praticamente a tempo inteiro e todos já contribuíram com anos e muitos fundos monetários em donativos para com a instituição. O apelo do presidente do Board, é que se acabem as obras e eleve o Lar a um novo e maior patamar.

 Rogério Varela Afonso propôs um voto de louvor à presente administração e ao Board of Trustees. O que foi prontamente feito.

A assembleia-geral foi assim encerrada pelas 21 horas.