Angola aplica taxa de 10% a transferências para o exterior

0
58
Angola aplica taxa de 10% a transferências para o exterior

O grupo russo Alrosa prevê vir a investir mais de 1,2 mil milhões de dólares em dois projectos de prospecção de diamantes em conjunto com a estatal Empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama), disse em Luanda o presidente do grupo.

 Andrey Zharkov, à saída de um encontro com o vice-presidente da República de Angola, Manuel Vicente, destacou o projecto Tchiuzo, exploração mineira na província da Lunda Norte, onde serão aplicados 200 milhões de dólares, que deverá permitir uma produção anual de diamantes estimada em 2,5 milhões de quilates.

 Igualmente em parceria com a Endiama e juntando outros parceiros, a Alrosa prevê investir mil milhões de dólares no projecto Luaxe, também no interior norte de Angola, que poderá garantir uma produção anual de cerca de dez milhões de quilates, de acordo com a agência noticiosa Angop.

 Alrosa e Endiama vão ainda investir cerca de 15 milhões de euros na prospecção de novos quimberlitos (depósitos magmáticos de diamantes), nos próximos três anos, atra-vés da empresa Kimangue, que é participada por ambas.

 O grupo Alrosa está presente em Angola na Sociedade Mineira de Catoca (SMC), em-presa que explora a mina de Catoca, e em que o grupo russo e a Endiama detêm participações iguais de 32,8%.

 A mina de Catoca, na província de Lunda Sul, garante uma produção anual de seis milhões de quilates de diamantes – cerca de 75% da produção total angolana – que geraram vendas no valor de 594 milhões de dólares em 2013, um aumento de 2,6% face ao ano anterior, de acordo com dados da SMC.

A mina a céu aberto tem uma profundidade de 600 metros e deverá estar em operação até 2031, sendo a quarta maior do género em todo o mundo, devendo igualmente ser alvo de um novo investimento.