Angariados para o Lar da Beneficência mais de 600 mil randes no jantar de Natal

0
47
Angariados para o Lar da Beneficência mais de 600 mil randes no jantar de Natal da Academia do Bacalhau de Joanesburgo

Na sexta-feira, 25 de Novembro, as festividades do Magusto2016 foram abertas com o jantar de Natal da Academia do Bacalhau de Joanesburgo realizado numa tenda gigante instalada nos terrenos do Lar da Sociedade Portuguesa de Beneficência, em Albertskroon, Joanesburgo.

 O jantar juntou centenas de compadres, comadres e amigos de longa data num lugar que Academia-Mãe apadrinha e aperfilha, que é o Lar de Idosos Rainha Santa Isabel.  Naquele serão foram angariados com o donativo do Grupo Século (120 mil randes), o cheque entregue pela Academia-Mãe (300 mil randes), o leilão de uma camisola da selecção-A de Portugal (100 mil randes) e em conjunto com vários bolos-reis e alguns quadros e objectos leiloados, o número superou os 600 mil randes.

 Tony Rebelo fez as vezes de mestre-de-cerimónias e coube-lhe dar, em nome da ter-túlia, as boas vindas a todos os presentes. Aproveitou  para pedir a todos os presentes que fizessem um brinde à saúde do comendador Gilberto Martins, presidente do Board of Trustees da Beneficência, que esteve no jantar ainda a recuperar de uma me-lindrosa intervenção cirúrgica. 

 Como é tradicional e “obrigatório” em qualquer evento da Academia do Bacalhau de Joanesburgo, o presidente da tertúlia, José Contente, abriu o jantar e também o Magusto2016 com um “Gavião de Penacho”, o brinde da Academia.

 Enquanto a sopa foi servida, o caldo-verde, houve música para entreter os presentes, embora seja necessário notar o elevado volume de som, o que prejudicou as conversas e convívio entre os presentes e os levou a forçar a voz para se fazerem ouvir.

 Findo o primeiro prato, o presidente da Academia-Mãe interveio no jantar. No seu discurso, José Contente afirmou que às 17 horas daquela tarde, nada estava disposto e, à hora do jantar, as mesas, decoração, refeições e outros pormenores da festa, estavam prontos. “Quero também aqui agradecer a todos os patrocinadores, que ao longo deste ano, nos ajudaram e apoiaram os nossos eventos. Em particular quero agradecer ao Banco BIC, ACDC Dynamics, Midway Liquors, SilvaSale, Alberto Tavares, Jorge Araújo e a todos, todos aqueles que anonimamente ou publicamente fazem questão de nos ajudar no apoio que prestamos à nossa Comunidade.”

 O presidente da tertúlia continuou afirmando que “quero também agradecer ao nosso jornal, ao Século de Joanesburgo, um jornal que nos apoia e divulga todas as actividades da Comunidade portuguesa. Inclusive enviaram jornalistas para fazer a cobertura dos Congressos Mundiais das Academias, quer este ano em Estremoz, Portugal, quer o ano passado em Durban. Portanto ao director Varela Afonso, por todos os seus apoios, conselhos e ajuda que presta à SPB e à Academia. Ao Michael Gillbee, obrigado por tudo que fazes, escreves e estás sempre presente. O Século é sem dúvida a montra das Academias, quer no Cabo, Pretória e claro, aqui também em Joanesburgo.”

 O presidente Contente ainda mencionou o quadro de honra dos 100.000 randes, ideia percursora do compadre Manuel de Arede.

 “Depois de no jantar de Natal do ano passado termos dado 250.000 randes, no nosso aniversário em Junho 200.000 randes, hoje tenho o prazer de entregar à presidente da SPB, a comadre honorária Isabel Policarpo, um cheque de 300.000 randes.”

 O presidente da Academia entregou nas mãos de Policarpo o referido cheque e trocaram um sentido abraço.

 De seguida, subiu ao palco, ao som de uma ruidosa e calorosa salva de palmas, o compadre Gilberto Martins, presidente do Board of Trustees da Sociedade de Beneficência. Visível nos rostos de todos, a alegria de o ver de pé e em franca convalescença, depois do “susto” que pregou à família, aos amigos e colegas, após a intervenção cirúrgica a que foi submetido.

 No seu discurso Martins aludiu ao trabalho desdenvolvido em prol da SPB e da sua ac-tividade de bem fazer. Trabalho continuado de todos, das passadas Direcções, da actual Direcção e do Board of Trustees, da equipa organizadora do Magusto e do serviço que é prestado ao longo do ano por várias pessoas e entidades ao Lar Rainha Santa Isabel.

 Visivelmente emocionado e feliz por estar no seio dos compadres e no ambiente do Lar, Gilberto Martins apelou a uma maior união e que estava “certo de que juntos, vamos ainda alcançar grandes feitos nesta obra que é de todos, é dos portugueses”, concluiu Martins perante uma forte salva de palmas.

 Seguiu-se depois um dos momentos altos da noite, o anuncio por parte do director do Século de Joanesburgo, Rogério Varela Afonso, o donativo de 120.000 do Grupo Século à SPB.

 “Boa noite a todos, comadres, compadres e amigos do Lar Rainha Santa Isabel. Quero aqui anunciar, em nome da presidente do Conselho de Administração do Grupo Século, comendadora Paula Caetano, que gostaria muito de estar aqui hoje connosco, mas que se encontra ausente em Portugal, o donativo de 120.000 randes por parte do Grupo Século à Sociedade Portuguesa de Beneficência. Vamos continuar a honrar o protocolo que assinámos com a Beneficência e que vamos cumprir novamente hoje. Em nome da comendadora Paula Caetano, do jornal Século e de todo o Grupo, quero desejar a todos, compadres e comadres da Academia do Bacalhau, membros da Direcção da Sociedade de Beneficência, residentes e empregados do Lar, um feliz Natal e um próspero Ano Novo.”

 Esta declaração do director do Século de Joanesburgo mereceu uma longa salva de palmas.

 O prato principal foi logo servido em seguida. Após o prato principal, foi chamado ao palco o repórter fotográfico do Século de Joanesburgo, Carlos da Silva, que há mais de três décadas documenta fotograficamente os eventos da Academia do Bacalhau, bem como da Comunidade Portuguesa na África do Sul.

 No palco, tirou também uma fotografia que incluía a presidente da SPB, Isabel Policarpo, o presidente da Academia-Mãe, José Contente, a cônsul-geral cessante, Luisa Fragoso, e o novo cônsul-geral de Portugal em Joanesburgo, Francisco Meireles. Este último, que acabado de chegar ao País naquela tarde, foi o primeiro evento português que presenciou agora no seu novo posto consular.

 Solicitado a dirigir algumas palavras, Francisco Xavier Graça Moura de Meireles, natural do Porto e licenciado em Direito pela Universidade Católica do Porto, e já compadre pela Academia do Bacalhau da Namíbia, declarou “senhor presidente da Academia-Mãe, senhor embaixador, senhora cônsul-geral, é um gosto mui-to grande poder chegar a um país novo e poder jantar em português, com compatriotas portugueses e caras e expressões nossas. Comer uma sopinha como só a minha mãe e a minha avó sabiam fazer, ainda por cima. Estava maravilhosa a sopa. Quero dizer-vos que me empenhei muito em ser cônsul-geral em Joanesburgo, tenho um espí-rito muito animado para o trabalho que aí vem.  No que eu poder fazer e ajudar, contem comigo, peço só que me dêem tempo para me adaptar e começar a conhecer todos”, concluiu o diplomata.

 Seguidamente, foi a vez da intervenção do embaixador de Portugal. “Boa noite a todos, caros compadres e comadres. Estão-se a despedir de uma cônsul-geral e a receber um novo cônsul-geral. Só vos quero dizer duas coisas. Primeiro, uma vez mais, quero falar-vos da ternura que te-nho, da consideração, valor e grande ternura pelo Lar. Porque quando aqui cheguei em 2003, foi a primeira instituição portuguesa que visitei. É com grande apreço que vejo a SPB e o Lar, como têm crescido ao serviço dos mais necessitados.”

 De repente, a meio do discurso do embaixador, um problema técnico na aparelhagem de som impediu que continuasse a falar ao microfone. O diplomata continuou em voz forte a fazer-se ouvir e concluiu que “quero dar aqui em grande apreço a todos aqueles que ao longo dos anos, deram o seu esforço e dedicaram à causa porque todas as etapas, não existe uma sem as anteriores. Eu queria hoje, neste jantar de Natal da Academia do Bacalhau feito no Lar, prestar homenagem aos portugueses que asseguraram que esta casa fosse o que é hoje. Não sei de cor, mas a todas as Direcções, esta casa é o resultado de todos os esforços, sucessos e insucessos – muitas vezes o incentivo para não parar. É a minha homenagem e é também para aqueles que contribuíram para os quadros de honra. Mas, também aqueles que contribuíram com tempo, que também é parte da obra. É um trabalho voluntário, que muitas vezes nem é notado, em prol de quem mais necessita. Espero que esta Comunidade continue a dar exemplos como este. A todos, uma boa noite e muito obrigado”, conclui António Ricoca Freire.

 Seguidamente, teve lugar o lote de leilões, no qual, entre vários quadros, objectos e bolos-reis, foi leiloado um quadro com uma camisola da selecção de Portugal, autografada pelos campeões da Europa 2016, que foi arre-matado por 100.000 pelo empresário Orlando Marques. Foi um momento alto da noite, que levou os leiloeiros, co-mendador Rodolfo Gallego e José Contente à euforia.

 Por fim, foram servidas as sobremesas e café, ao som de música de dança pelo serão adentro.