Academia do Bacalhau de Joanesburgo faz pela primeira vez convívio no Luso África

0
113
Academia do Bacalhau de Joanesburgo faz pela primeira vez convívio no Luso África

Na quinta-feira, 3 de Novembro, a Academia do Bacalhau de Joanesburgo fez pela primeira vez o seu convívio semanal no clube português em Primrose, Luso África. Um almoço inédito que foi patrocinado pelos membros do Luso Cycling, que detém uma parceria com a Academia-Mãe. Este patrocínio vem numa longa lista de beneméritos que contribuíram, ao patrocinar os convívios, para aumentar os fundos dados pela Academia-Mãe a acções de solidariedade social.

 Estiveram presentes 82 pessoas, entre compadres, comadres e convidados.

 O presidente José Contente fez soar o badalo pelas 13h40 e pediu ao compadre Rodolfo Gallego que desse o “tom” do brinde, “Gavião de Penacho”.  O presidente, como é seu apanágio, deu as boas-vindas a todos os presentes em torno da mesa do almoço.

 Antes dos procedimentos terem efectivamente lugar, o presidente pediu que os presentes cumprissem um minuto de silêncio em memória do pai do compadre Tino Garcia, Mário Garcia. Cumprido o minuto de silêncio, o presidente informou os presentes de que o compadre Gilberto Martins está bem e em convalescença, após ter sido submetido a uma intervenção cirúrgica de emergência.

 Para “carrasco” da tarde, a escolha recaíu no compadre e vice-presidente Paulo Mariano.

 A sopa, caldo-verde, foi então logo servida. Findo o primeiro prato, o compadre José Contente voltou a fazer soar o badalo e pediu para os anfitriões, uma salva de palmas, o que foi prontamente feito por todos os presentes.

 “Desde que iniciei o meu segundo mandato, apelei a todos os compadres para que houvesse, pelo menos uma vez por mês, um almoço patrocinado. Desde que começámos este périplo pela Comunidade, que temos tido em média dois almoços patrocinados por mês. Tem havido uma resposta fenomenal por parte da nossa Comunidade portuguesa. Como sabem, isto tudo é para as causas que abraçamos e para o nosso Lar de Santa Isabel da Sociedade de Beneficência”, rematou o presidente.

 Contente pediu então ao compadre António Ricoca Freire que apresentasse o seu convidado, Eduardo Rafael o novo conselheiro de Embaixada.

 “Boa tarde comadres e compadres”, começou por afirmar o compadre Freire, “deixem-me fazer um pequeno comentário antes da apresentação. De facto,  o ditado português de que há males que vêm por bem é muito verdade e aplicável à Academia do Bacalhau de Joanesburgo. Todos ficámos desagradados com o desentendimento entre a Academia e a Adega em Bedfordview. Mas, águas passadas não movem moinhos e como tal, perdeu-se o espaço permanente, mas ganhou-se na experiência desta rotação pela Comunidade. Tem sido muito rica e portanto criou-se a dinâmica das associações e dos restaurantes, que emprestaram os seus espaços à Academia.”

 O compadre Freire continuou ao afirmar que “é de facto uma experiência muito enriquecedora entre a Academia e a Comunidade. Não quer dizer que estejamos sempre sem poiso fixo, mas isto ajudou a uma aproximação entre todos os portugueses o que no fundo é o mais importante, a união e a comunhão entre a Comunidade portuguesa e os seus vários espaços onde se revê.”

 “Quanto ao meu convidado, chegou há dois meses. Eu já o conhecia porque já tínhamos estado juntos na Guiné-Bissau, ele como secretário da Embaixada de Portugal. Ele estava a acabar o posto diplomático e eu a acabar de chegar, curiosamente 36 horas depois de terem morto o presidente Nino Vieira.”

 Continuou ao declarar que “estou muito feliz de o Eduardo Rafael ter vindo para Pretória. Não lhe vou ensinar tudo, tudo sobre a Academia, vou deixar que seja ele, com a Academia, a aprender o que é esta bela tertúlia. Portanto, entrego-vos o Eduardo Rafael, na confiança plena que vocês compadres farão dele um bom compadre e o vão ensinar bem. Talvez por vezes com amor duro, umas pancadinhas para o alinhar, mas sempre a bem”, concluiu o compadre em tom de brinca-deira.

 O presidente Contente aludiu, antes de dar a palavra ao convidado, ao comentário do compadre Freire. “Desde que iniciámos esta tournée, que muitos vaticinaram mal à Academia. Mas, muito pelo contrário, tem sido repleta de sucessos e bons frutos. Começámos no Lar de Santa Isabel, estivémos depois em vários clubes e restaurantes e estamos cada vez mais próximos da nossa Comunidade”, afirmação que valeu um forte aplauso por parte de todos.

 “Boa tarde a todos,” abriu a sua intervenção Eduardo Rafael. “Com um padrinho e apresentação como esta, é sempre muito bom. Obrigado.”

 “É sempre muito bom ter esta experiência de Comunidade portuguesa, eu servi em Nova Iorque e já tinha estado em almoços e eventos da Academia do Bacalhau, mas nunca me tinha feito compadre. Como tal, pensei que o melhor sítio seria mesmo a Academia-Mãe”, declaração que lhe valeu um aplauso.

 “A todos, muito obrigado e espero vir a ser um de vós muito em breve”.

 O compadre presidente honorário da Academia-Mãe, Adriano Leão, pediu a pala-vra. “Caros compadres e comadres, eu só queria dizer que é muito bom estar aqui entre vós e teria ficado cheio de pena se não tivessse vindo, porque andei ligeiramente perdido aqui numas ruas, mas felizmente tudo se resolveu. Estamos aqui também a lembrar o nosso amigo Mário Garcia, de quem eu era muito amigo. Cliente da Lusoglobo desde os primórdios da agência, era um homem com quem sempre tive uma bonita amizade. Juntou-se à companheira de sempre, a esposa Maria José e por isso para ele, queria pedir um “Gavião de Penacho”. Pedido que foi prontamente atendido por todos com uma salva de palmas também.

 Logo a seguir, o prato principal foi levado para a mesa, o bacalhau. O “fiel amigo” foi confeccionado “à ciclista”, em alusão aos patrocinadores da refeição. Estava guarnecido de repolho, feijão-verde, batata e o peixe coberto com um molho de tomate. De notar, que infelizmente, o bacalhau estava bastante salgado, como foi escutado em torno da mesa, comentado por vários compadres e comadres que não terminaram a posta de bacalhau.

 Findo o prato principal, o presidente deu a palavra ao compadre Tony Azeredo. “Boa tarde a todos, em nome do Luso África, é com muito prazer que recebemos aqui a Academia do Bacalhau de Joanesburgo, sendo a primeira vez no Luso, é muito bom ver tantos compadres e comadres aqui. Todas as associações e clubes sofrem e passam por dificuldades, mas temos aqui um exemplo de como elas pode ser ultrapassadas, hoje aqui com o apoio da Academia, enchemos o salão do Luso e é sempre muito bom ver o parque de estacionamento repleto e tantas caras conhecidas e amigos por cá. É só assim que conseguimos manter a nossa Cultura e legar as nossas tradições, portanto a todos vós, muito obrigado.”

 O compadre Joaquim Melo, em nome do Luso Cycling também falou. “Boa tarde a todos, hoje temos metade da economia sul-africana parada”, gracejou o compadre. O que arrancou várias gargalhadas e palmas de todos.

 “É muito bom ver aqui tanta gente, tantos amigos, compadres de Pretória e só quero agradecer a vossa presença. Espero que tenham gostado!”

 O compadre Américo Pimentel, num gesto de retribuição, pediu a palavra e “em nome da ACP de Pretória quero agradecer ao compadre Melo por nos ter convidado e é com muito prazer que aqui estamos hoje em convívio português”.

 O almoço aproximava-se do fim e como tal, o presidente entregou dois certificados. Um, o da comadre Zilda Coelho, faltava entregar por falta de moldura. O segundo, que percorreu a mesa do almoço e foi assinado por todos os compadres e comadres presentes, foi entregue ao agora compadre Paulo Jorge Contente, filho do presidente José Contente.

 Ao entregar o diploma, o presidente visivelmente feliz, trocou com o novo membro da tertúlia um sentido abraço.  Ainda houve tempo para o compadre Soares Coelho cantar, um Fado e um trecho em italiano, para o entretenimento de todos.

 A comadre Luísa Fragoso também interveio, ao lembrar a todos a presença em Joanesburgo da artista portuguesa Elisa Rodrigues, a actuar na cidade. Lembrou também a “Festa da Flor” a ter lugar na cidade de Parys, Free State entre os dias 11 e 12 deste mês.

 “Como sempre, é-me particularmente grato estar na Academia do Bacalhau e por isso agradeço-vos a todos”, rematou a comadre Fragoso.

 O presidente lembrou também que entre os dias 25 e 27 de Novembro, terá lugar no Lar Santa Isabel, o Magusto 2016 da Sociedade Portuguesa de Beneficência. Entre as várias actividades haverá um torneio de sueca, uma festa de música dos anos 80.

 Foram ainda entregues os certificados de agradecimento aos patrocinadores da jornada ciclista Joanesburgo-Maputo 2016. Foram eles, Vítor Costa, José Jacinto, Orlando Marques, Sérgio Oliveira, Paulo Mariano, Silvério Silva, Jorge Araújo, Jorge “Maradona” Rodrigues, Paulo Ferreira, Américo Pimentel e Mário Maio.

 O Luso Cycling e o Luso África entregaram um conjunto de medalhas à comadre Luísa Fragoso. “Muito obrigado todos, as vossas partidas foram sempre foram uma emoção e sempre me senti parte das vossas aventuras, nas subidas de montanha e parte do vosso esforço”, gracejou a comadre Fragoso.

 Foi aqui justamente, com esta jornada que marcou o inicio do meu posto aqui em Joanesburgo. É muito sentida esta homenagem que me fazem.”

 Foi ainda entregue ao compadre Américo Pimentel, por parte do Luso Cycling, uma garrafa de Johnny Walker Explorers Edition, em agrade-cimento.

 Para finalizar o almoço, a palavra final foi entregue ao “carrasco” da tarde. O compadre Mariano, no seu habitual tom de brincadeira e humor, leu a sua “sentença”, entre piadas e gracejos com os compadres.

 O almoço foi encerrado com o entoar do refrão da marcha da Academia e o “Gavião de Penacho” final.