Academia do Bacalhau de Durban comemorou 50.º Aniversário

0
129

 Aproximadamente uma centena de pessoas, participou no passado dia 5 de Outubro  no jantar comemorativo do 50° aniversário da Academia do Bacalhau de Durban, que teve lugar no restaurante da APKZN. Estiveram no evento convidados, compadres, comadres e alguns antigos presidentes da Academia, Elias de Sousa, José da Silva, Getúlio Ferrão, Bernardino Dias, João de Freitas e Carlos Arhens Teixeira, assim como o embaixador de Portugal na África do Sul, Manuel de Carvalho.

 Ao abrir o convívio usou da palavra o presidente da Academia do Bacalhau de Durban, Hélder da Fonseca, dizendo:

 “Vossa excelência embaixador de Portugal na África do Sul, dr. Manuel de Carvalho, cônsul honorário de Portugal em Durban, Elias de Sousa e esposa Júlia de Sousa, presidente honorário José da Silva, Academia do Bacalhau de Moçambique, presidente Joaquim Matos, compadres e comadres bem vindos ao jantar do 50° aniversário da Academia do Bacalhau de Durban. Esta Academia é uma das 60 espalhadas pelo mundo. O membro fundador foi o dr. Durval Marques que começou a Academia Mãe há 51 anos. Durban é a terceira academia depois de Joanesburgo e da Cidade de Cape Town”.

 “A Academia do Bacalhau de Durban foi iniciada por Armando Pissarra e alguns dos compadres fundadores foram Elias de Sousa e José Coelho. Temos 70 membros dos quais 35 são membros activos e participam nos almoços mensais que se realizam na APKZN. Ser membro desta Academia é uma honra. Durban organizou quatro Congressos das Academias do Bacalhau, em 1974, 1984, 1996 e 2015 e este ano o Congresso foi na cidade do Porto em Portugal, no  último fim-de-semana. Lorraine e eu, Joaquim Matos, Louis Liebenberg, Manuel Caetano e Raúl e Blanche Quintas representamos Durban”.

 “Um dos problemas da Academia do Bacalhau é a nossa nova geração que não parece demonstrar e adotar a portugalidade e os nossos compadres e comadres estão ficando menos jovens. Devemos de considerar e fazer algo de diferente de maneira que as futuras gerações também possam ter a possibilidade de integrar nesta fantástica e maravilhosa organização. Eu fui apresentado à Academia do Bacalhau pelo meu pai, José Ferreira da Fonseca e um amigo da família João Louro aproximadamente há 25 anos. Aceitei o que a Academia do Bacalhau representava, nomeadamente, a nossa cultura, amizade, solidariedade e a nossa portugalidade. O Português é a sétima língua mais falada do mundo. Para que a Academia sobreviva e cresça, é importante para cada compadre e comadre incutir o amor da língua portuguesa e da nossa cultura aos nossos filhos e netos para que possamos mantê-las”.

 Em seguida o presidente honorário, José da Silva, dirigiu-se aos presentes e expressou a sua preocupação e lamentou, a diminuição de presenças e envolvimento na Academia, assim como na Associação Portuguesa do KwaZulu Natal.

 “Estamos a perder membros diariamente”. Apelou aos membros da comunidade para apoiarem a Academia assim como a Associação “para que não possamos perder o pouco que ainda temos. Quero expressar o meu agradecimento a todos que ajudam e estão connosco para ultrapassar esta situação corrente”.

 O cônsul honorário de Portugal em Durban, usou da palavra começando por agradecer a presença de todos no jantar e que era com muito prazer, como um dos membros fundadores da Academia estar presente no 50° aniversário e que continuará a apoiar esta organização. Enalteceu a sua gratidão a todos os compadres, comadres e presidentes pela contribuição e apoio que dispensaram ano após ano.

 Terminou desejando a todos uma noite alegre e que no futuro os compadres e comadres consigam ultrapassar as dificuldades que possam enfrentar e alcançar os objectivos desta Academia.

 Finalmente, o dr. Manuel de Carvalho, embaixdor de Portugal na África do Sul, agradeceu o convite para assistir à celebração do 50° aniversário da Academia do Bacalhau de Durban e felicitou todos os presidentes, compadres e comadres desta organização. Continuou afirmando que a importância das Academias e de todas as Associações Portuguesas neste país demonstram claramente o Portugalis-mo da nossa nação bem viva e fez votos que possam improvisar dia após dia.

 Recordando que a união faz a força e assim espera que mais e melhor união possa beneficiar todos os portugueses radicados nesta província, assim como neste país.

 Terminou desejando as maiores felicidades e muito sucesso à Academia do Bacalhau de Durban e que todos continuem a demonstrar o bom trabalho que fazem neste país.

 O primeiro prato, o de caldo-verde foi servido estando confeccionado com perfeição, o caldo e a couve cortada e escaldada da melhor maneira. O prato principal, o “fiel amigo” foi servido frito, com batata à “murro” e pimentos assados, recebendo elogios de todos os presentes. Após o prato principal a sobremesa foi servida seguida do café acompanhado de digestivos.

 Foram homenegeados com uma lembrança comemorativa do 50° aniversário os compadres e comadres, dois copos de vinho com o logo da academia. Os compadres honorários receberam um diploma. A lembrança e diploma foram entregues pelo presidente da Academia Hélder da Fonseca.

Continuando-se depois ali naquela noite a conviver em alegria e alguns até bastante tarde.

 

* Academia do Bacalhau de Durban foi fundada em Outubro de 1969

 

 A Academia do Bacalhau de Durban foi fundada a 4 de Outubro de 1969 sendo o primeiro presidente Armando Pissarra. Todos os anos é realizado um Congresso das Academias do Bacalhau, sempre num continente diferente. A Academia de Durban organizou quatro congressos.

 As Academias do Bacalhau são associações, sem fins lucrativos, cujas finalidades são as de promover o convívio entre os seus membros, designados compadres e comadres e ao mesmo tempo, contribuir para a ajuda de pessoas mais necessitadas para as quais são doados parte da receita obtida em jantares, almoços e convívios.

 Cada Academia tem as suas características próprias e cada uma é conhecida pelo nome da cidade a que pertence. No entanto, a característica comum e distinta, é a degustação do bacalhau e o “Gavião de Penacho”, o brinde com bom vinho tinto português de preferência.

 Os símbolos de cada Academia são a bandeira com o bacalhau e o badalo. Para todos os portugueses o bacalhau foi, é e será conhecido como o “fiel amigo” tradicional alimento tanto na mesa do pobre como na do rico, sendo apreciado todos os dias e em ocasiões festivas.