O Século de Joanesburgo

Roxo Law

Paramount Trailers

Século Triweb Printers

Tecnologia portuguesa em missão espacial para tornar o espaço mais limpo
19-Jun-2017
Tecnologia portuguesa em missão espacial  para tornar o espaço mais limpo

A empresa D-Orbit Portugal desenvolveu a tecnologia do satélite D-Sat, que vai ser lançado no final de Junho na Índia, e que tem como ambição ser o primeiro capaz de se remover do espaço de forma eficaz e precisa.

 Quando os russos lançaram o Sputnik 1, "o espaço era tão grande" que a remoção do satélite não era uma preocupação. Hoje, com a órbita repleta de satélites, "é uma preocupação", face às colisões provocadas pela sobrelotação e falta de espaço para se lançarem mais corpos artificiais para as órbitas terrestres, contou Carina Amaro, da equipa da D-Orbit Portugal.

 O D-Sat procura responder a esse mesmo problema, sendo um satélite com tecnologia de remoção do corpo novamente para a Terra com uma trajectória específica, ao invés do que acontece neste momento, em que os satélites ficam dezenas de anos em órbita já depois de terminada a sua operação e que acabam por entrar na atmosfera de forma descontrolada, com a possibilidade de caírem em zonas povoadas da Terra, elucidou.

 A D-Orbit Portugal, subsidiária da italiana D-Orbit, desenvolveu todo o ‘software' necessário para a missão do D-Sat, um pequeno satélite de 30 centímetros por 10 centímetros, que vai funcionar como um demonstrador da capacidade da tecnologia, explicou Carina Amaro.

 "É o primeiro lançamento da história, em que o satélite é lançado com o objetivo de ser removido", sublinhou, referindo que, a determinado ponto, vai ser enviado um comando ao D-Sat, que "vai girar sobre ele próprio e entrar na atmosfera numa trajetória" escolhida pela equipa.

 O lixo espacial "é um grande problema”.

 “Estamos a enviar cada vez mais equipamento lá para cima e já aconteceu algum equipamento colidir", sintetizou.

 Com a tecnologia da D-Orbit, já não se terá "de esperar décadas para que o satélite caia", para além de garantir uma descida com uma trajetória definida e não aleatória como atualmente acontece.

 A tecnologia está patenteada e, depois da demonstração que vai ser realizada com o

D-Sat, espera-se que os futuros satélites que sejam lançados possam ter o dispositivo desenvolvido pela empresa.

 O dispositivo "é modular e escalável", podendo ser aplicado quer num satélite de 50 quilos ou num de cinco toneladas, acrescentou.

 A D-Orbit Portugal está sediada em Cascais e integrada na Incubadora da Agência Espacial Europeia em Portugal (ESA BIC), coordenada pelo Instituto Pedro Nunes (IPN).

 Para a missão do D-Sat, a empresa instalou também alguns sensores no satélite que vão permitir recolher dados "de partes superiores da atmosfera", de modo a melhorar a previsão dos modelos meteorológicos e a ajudar "a ter uma previsão mais alargada do tempo", disse Carina Amaro.

 O projecto, intitulado "Atmosphere Analyzer", foi desenvolvido no âmbito da incubação na ESA BIC Portugal, onde são apoiadas ‘startups' que transfiram tecnologia espacial para aplicações na Terra nas mais diversas áreas.

 

Edição Impressa

Capa do Jornal

Procurar

Inquéritos

Que temas mais lhe interessam?
 

Newsletter







Roxo Law

Comunidades - O Século de Joanesburgo

Consulte o Século desportivo
             
Roxo Law
Coloque a sua publicidade aqui
Século Triweb Printers
Blue Sky
Roxo Law
Coloque a sua publicidade aqui
Século Triweb Printers